Acupuntura

   

A Acupuntura é uma forma de tratamento milenar, utilizada para o diagnóstico, o tratamento e a prevenção de doenças há mais de 2.000 anos.

Acredita-se que a origem das técnicas tenha sido mesmo na China, sendo que, ainda hoje, a Acupuntura figura como parte importante da Medicina Tradicional Chinesa.

Os pontos trabalhados na Acupuntura são locais ricos em terminações nervosas e, uma vez trabalhados da forma correta, eles são capazes de gerar reações no organismo que propiciam o alívio de muitos sintomas e, até mesmo, a cura de determinadas patologias.

acupuntura

A Acupuntura moderna é realizada com a inserção de pequenas agulhas filiformes (em forma de fios), que são até 10 vezes mais finas que as agulhas de injeção, em pontos específicos do corpo, visando alívio de dores e outros efeitos locais e sistêmicos.

Conforme cada quadro clínico, outros dispositivos, além das agulhas filiformes, também podem ser usados num tratamento de Acupuntura, como é o caso das ventosas e da moxibustão.

Estudos feitos com o uso de ressonância magnética funcional comprovam que a Acupuntura tem ação no Sistema Nervoso Central, ativando áreas específicas cerebrais, que atuam no controle e regulação da dor e de outros sintomas.

Outros estudos mostram que a Acupuntura também age localmente e difusamente, estimulando a liberação de hormônios e de neurotransmissores, como a serotonina e a endorfina, auxiliando no alívio e no tratamento de diversos quadros patológicos.

O paciente sente uma leve picada da agulha, no momento em que ela entra em contato com a pele. Na maioria dos casos, isso é referido como um incômodo ligeiro e perfeitamente suportável.
Vale lembrar que, como os pontos trabalhados na Acupuntura são áreas ricas em terminações nervosas, eles acabam por ser regiões um pouco mais sensíveis do corpo.

Além disso, quando o organismo está em desequilíbrio energético - causa dos distúrbios internos, isto é, das doenças -, os pontos poderão estar mais sensíveis.
Dessa forma, não é raro que pacientes que apontam maior sensibilidade nas primeiras sessões notem a diminuição dessas sensações, à medida que o tratamento de Acupuntura avança e demonstra seus resultados.

A agulha de Acupuntura é um dos instrumentos desenvolvidos pela Medicina Tradicional Chinesa. Como recurso terapêutico, em determinados casos, a agulha pode ser associada a outros métodos, tais como:

Eletroacupuntura: utilização da eletricidade para estimular os pontos da Acupuntura. É indicada para tratar tensão muscular intensa, dor crônica ou para anestesia (hipoalgia). Em geral, são utilizados dois tipos de estímulos alternados, de frequência de 2 Hz e 100 Hz. O primeiro exerce efeito analgésico prolongado e cumulativo. Já o segundo, efeito analgésico rápido e de curta duração.

Acupuntura a laser: é um recurso terapêutico, geralmente reservado para tratamentos em crianças menores, em alguns casos de dor nas mãos ou nos pés, ou em indivíduos que tenham restrições muito severas ao uso de agulhas. Porém, sabemos que o raio laser apresenta menor efeito terapêutico em comparação com as agulhas.

Ventosas: recipiente de vidro ou plástico semelhante a um copo, no interior do qual é produzido vácuo para prendê-lo à superfície do corpo. Exerce efeito relaxante muscular e analgésico.

Moxibustão: mecha de fibras secas de artemísia, também em forma de bastão, que, ao queimar-se, aquece os pontos de Acupuntura. É aplicada em pacientes com doenças crônicas ou enfraquecidos.

A formação em Acupuntura Médica requer primeiramente os seis anos de formação em Medicina e, depois, mais dois anos de pós-graduação em Acupuntura, em instituições reconhecidas pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), pelo CFM e pelas Sociedades Brasileiras de Acupuntura. Também é possível o profissional realizar residência médica em Acupuntura. Após a formação (pós-graduação ou residência), é necessário ainda passar pela prova de título, para obtenção do grau de especialista.

Não. O tratamento com a Acupuntura, ao auxiliar em alguns sintomas, pode ajudar na diminuição do uso de medicamentos de uso contínuo. Mas o paciente deve sempre consultar seu médico antes de fazer qualquer mudança de medicamentos.

Dependendo do caso, das queixas apresentadas pelo paciente e do exame físico realizado em consultório, pode ser necessária a realização de exames complementares para confirmação da hipótese diagnóstica. Sendo assim, poderão ser solicitados alguns exames laboratoriais ou de imagens, para se decidir a melhor conduta terapêutica, antes de se iniciar um tratamento de Acupuntura.

Sim. No Brasil, a Acupuntura foi reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), em 1995. Três anos depois, também passou a ser reconhecida pela Associação Médica Brasileira (AMB).

Quando realizada por médicos especialistas devidamente habilitados para a atividade, a Acupuntura não apresenta contraindicações.
Mas a prática terapêutica, quando realizada por pessoas inabilitadas, incapazes de um diagnóstico preciso e de uma indicação adequada para o tratamento, pode agravar doenças pré-existentes ou desencadear o aparecimento de outras. Daí a grande importância de se procurar um profissional com todas as credenciais necessárias para conduzir esse tipo de tratamento.

• Estresse;
• Ansiedade;
• Depressão;
• Enxaqueca;
• Insônia;
• Impotência;
• Alterações hormonais;
• Alterações menstruais;
• Problemas imunológicos;
• Dores crônicas;
• Problemas reumáticos;
• Quadros clínicos de sintomas vagos, que não respondem bem a tratamentos convencionais.

Diretora Clínica
Drª. Simone Amorim | CRM 98.656
Rua dos Pinheiros, 498, cj.152
Pinheiros, São Paulo - SP | CEP:05422-000
+55 11 2309-4590
vitaclinica@vitaclinica.com.br