Categorias: ArtigosNeurologia

A importância de exames que avaliam o funcionamento do sistema nervoso

Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Compartilhe

Simone Amorim,
Neurofisiologista e neurologista infantil

Recentemente, falei em minha página, numa rede social, que ter título de neurofisiologista é algo que muito me orgulha. E prometi escrever mais aqui no Blog sobre o tema.

A Eletroneuromiografia é um exame que avalia o sistema nervoso periférico

Falar sobre isso é falar de uma realização pessoal e, ao mesmo tempo, ter a oportunidade de trazer à tona um tema sobre o qual ainda há um grande desconhecimento da população em geral e, até mesmo, de alguns setores da Saúde.

A Neurofisiologia Clínica é a área da Neurologia que estuda a funcionalidade do sistema nervoso central e periférico. Particularmente, os conhecimentos que venho adquirindo nessa área, ao longo dos anos, agregaram expetises importantes em meu campo de atuação. Trata-se de uma soma valiosa à minha formação, junto com o doutorado em Neurogenética e, também, à especialização em Neurologia Infantil.

Ao médico neurofisiologista, cabe a interpretação de exames que revelam como está o funcionamento do sistema nervoso do paciente, por meio de procedimentos como o Eletroencefalograma, a Eletroneuromiografia, a Polissonografia, o Potencial Evocado, e, mais recentemente, a Monitorização do Sistema Nervoso durante procedimentos cirúrgicos.

Para realizar algum desses exames é necessário que o médico neurologista faça um estágio ou residência médica, que pode variar de um a dois anos, após a conclusão da residência em Neurologia. É um conhecimento especializado, portanto.

Ao falarmos desses procedimentos, estamos falando de exames fundamentais e de grande importância na identificação de diversas patologias, muitas delas de difícil diagnóstico. Podemos destacar, por exemplo: epilepsia, distúrbios do sono, doenças neuromusculares, radiculopatias (hérnia cervical ou lombar), compressão de nervos e doença degenerativa do neurônio motor inferior (esclerose lateral amiotrófica).

Eletroneuromiografia

A área que escolhi dentro da Neurofisiologia foi a da Eletroneuromiografia, um exame sobre o qual ainda há muito o que se falar e, principalmente, desmistificar. Basicamente, esse é um exame que avalia os neurônios que trafegam pela medula, os nervos, os músculos, e a junção entre nervo e músculo.

Trata-se de um sistema de avaliação com um índice de assertividade alto, com várias indicações clínicas, possibilitando o diagnóstico de quadros como: compressões nervosas, doenças neuromusculares, esclerose lateral amiotrófica, miastenia gravis, neuropatias periféricas, entre muitos outros.

O exame é realizado por meio de breves estímulos elétricos, intermitentes. São usados eletrodos adesivos para avaliar a condução nervosa e agulha, para avaliar o músculo. A avaliação sempre deve ser feita bilateralmente, isto é, em ambos os lados (seja da face ou dos membros superiores ou inferiores), pois os valores obtidos são comparados entre si. A duração de todo o procedimento é de cerca de 30 minutos.

Antes da realização do exame, é importante que o médico saiba explicar ao paciente que os possíveis desconfortos são mínimos e totalmente toleráveis. Ao entender a razão de ser e a grande importância de um diagnóstico preciso para a condução do seu tratamento, a pessoa segue relaxada e confiante para o procedimento.

Logo após a realização do exame, a pessoa já está pronta para retomar as suas atividades cotidianas normais. De posse do laudo, o plano de tratamento é determinado pelo médico que acompanha o paciente. E, de nossa parte, fica a sensação de ter proporcionado um diagnóstico seguro ou a exclusão de um possível diagnóstico clínico (nos casos de exames normais), colaborando, assim, para um plano de tratamento assertivo e bem-sucedido.

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 15:45

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

4 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

5 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás