Categorias: Notícias

Covid-19: brechas no sistema imunológico podem causar complicações em qualquer idade

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Compartilhe

A presença do novo coronavírus entre a população mundial vai se desenhando como um dos maiores desafios já enfrentados pela Medicina moderna. Se, por um lado, temos a necessidade emergencial de conter a sua disseminação, por outro, resta ainda o desafio de conhecermos melhor o comportamento da patologia e descobrir formas mais eficazes de tratá-la. As complicações podem ser só em uma pequena parcela dos casos, mas engana-se quem pensa que os maiores riscos estão restritos às pessoas com idade mais avançada ou com o organismo fragilizado.

Embora em menor número, há registros de complicações e mortes entre jovens saudáveis – inclusive no Brasil! Noutros países, também já chegaram a morrer até crianças.

Embora não sejam nas mesmas proporções dos idosos, há muitos casos no mundo de complicações e mortes de jovens por covid-19

Atenta às publicações científicas que saem sobre o assunto, a diretora clínica da Vita, Simone Amorim, enfatiza que é um grande erro comparar a covid-19 (a doença causada pelo coronavírus) a uma “gripezinha”, apesar dos sintomas nos casos leves se assemelharem aos de um resfriado.

“É preciso entender que estamos perante um novo e agressivo vírus, que, quando encontra brechas nos sistemas de defesa do organismo, consegue se multiplicar e migrar para os pulmões, causando grandes estragos por ali, a ponto até de levar à morte”, salienta a médica, lembrando que, muitas vezes, as pessoas se consideram saudáveis porque se alimentam bem, praticam exercícios, etc., mas isso não significa que estejam blindadas.

Brechas existentes no sistema imunológico podem colocar qualquer pessoa no grupo de maior risco frente ao coronavírus

Arriscar-se a pegar o vírus é, portanto, um jogo perigoso. Quem ainda não entendeu a responsabilidade social de colaborar para a contenção da epidemia, tomando as devidas medidas profiláticas e ficando em casa o máximo possível, para não servir de potencial vetor de disseminação do vírus, deve lembrar que não há 100% de garantia para ninguém de que a infecção venha a se apresentar na sua forma mais branda.

Grupos de risco

Outro ponto de grande equívoco é o do entendimento de quem está incluído no chamado grupo de maior risco – isto é, daquelas pessoas que, neste momento PRECISAM estar em isolamento absoluto, para diminuir ao máximo as chances de contágio.

“O idosos com mais de 60 anos são um grupo de risco pela menor efetividade natural do sistema imunológico. Mas é muito importante salientar que existe uma lista de outras situações que podem colocar as pessoas nesse grupo”, explica Simone, lembrando especialmente das pessoas que enfrentam doenças crônicas. Dentre elas, a médica lista:

  • Diabéticos;
  • Cardiopatas;
  • Hipertensos;
  • Asmáticos;
  • Imunossuprimidos (pessoas com a imunidade baixa, por qualquer razão);
  • Pacientes oncológicos;
  • Pessoas desnutridas;
  • Fumantes.

Simone destaca ainda que, embora algumas doenças em si não coloquem determinados pacientes no grupo de risco, o uso regular de alguns medicamentos pode fazê-lo. É o caso de pessoas que tratam de doenças autoimunes, como lupus ou vitiligo, que muitas vezes tomam medicações imunossupressoras, pois elas reduzem as respostas do sistema imunológico.

A dica da médica para que os pacientes nessas situações é de que NÃO suspendam os seus tratamentos por conta própria e que busquem orientação com os médicos que acompanham os casos, antes de qualquer alteração de conduta. Além disso, é fundamental seguir as recomendações para se resguardar no ambiente doméstico.

Essa publicação foi atualizada em 27 de março de 2020 13:51

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

4 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

5 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás