Categorias: Neurologia

Conheça os sintomas que mais levam os médicos a pedirem uma Eletroneuromiografia

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Compartilhe

Muitos pacientes ficam intrigados com as razões que levam os seus médicos a solicitarem o exame de Eletroneuromiografia (ENMG), mesmo após já terem realizado avaliações físicas e até alguns exames de imagens, tais como uma ou mais radiografias ou mesmo uma Ressonância Nuclear Magnética. Afinal, o que mais se pretende com essa investigação diagnóstica?

Basicamente, a Eletroneuromiografia é o exame que investiga lesões e disfunções no Sistema Nervoso Periférico, sendo, por isso, de grande auxílio para que o médico possa confirmar (ou descartar) um diagnóstico onde desconfie de lesões e/ou disfunções em estruturas como nervos e músculos, que estejam causando os sintomas apresentados pelo paciente.

A Eletroneuromiografia é um exame que avalia as lesões e/ou disfunções no Sistema Nervoso Periférico – isto é, em estruturas como nervos e músculos

Dentre as principais queixas que levam os médicos a solicitarem a realização de uma Eletroneuromiografia, estão situações como:

  • Sensações de formigamento, dormências e/ou queimação em um membro ou em regiões específicas;
  • Fraqueza / perda de força em um dos membros ou de forma generalizada;
  • Queixas de dores sem uma causa aparente (sobretudo em membros superiores ou inferiores, ou nas regiões lombar e cervical);
  • Paralisia facial ou alterações na musculatura da face.

Outras situações apresentadas pelos pacientes, em que os seus médicos podem achar necessária a realização do procedimento, costumam ser:

  • Presença de atrofias;
  • Perdas de massa muscular sem uma razão aparente;
  • Engasgos frequentes;
  • Desequilíbrio motor (na marcha ou mesmo durante a realização de atividades de rotina).

Antes da solicitação, naturalmente tais situações são avaliadas pelos especialistas dentro do contexto de cada caso clínico, levando em consideração o seu histórico, os laudos de outros exames já realizados, assim como os exames físicos e a anamnese, realizados com o paciente. Por isso, quando há o pedido para a realização do procedimento, é muito importante a sua realização o mais cedo possível.

Os resultados são de grande auxilio, tanto na identificação de possíveis lesões e/ou disfunções, quanto para embasar uma boa avaliação prognóstica (previsão de evolução do quadro) e fornecer dados para a proposição de planos de tratamentos mais adequados a cada situação. Ou seja: fechar um diagnóstico assertivo é fundamental para se evitar complicações e perdas funcionais, assim como para se iniciar programas que proporcionem a diminuição das dores e dos demais incômodos que comprometem o bem-estar e a qualidade de vida do paciente.

O exame na prática

Na prática, a Eletroneuromiografia consiste em avaliar o funcionamento de nervos e músculos, e em observar como está ocorrendo a “comunicação” entre essas estruturas. Essa avaliação funcional é feita por meio de impulsos elétricos de baixíssima intensidade. Todo o exame dura cerca de 40 minutos, sendo dividido em duas etapas: a primeira com o uso de eletrodos, em pontos específicos do trajeto do nervo a ser estudado (a fim de verificar a condução nervosa); e a segunda, com eletrodos de agulhas (muito finas e descartáveis), para se observar a atividade muscular, mediante a recepção de estímulos.

NÃO há a necessidade de sedação para a realização do procedimento, nem de repouso após a sua realização. Terminado o exame, o paciente pode prosseguir normalmente com a sua rotina. Como envolve o estímulo de estruturas que podem estar comprometidas ou lesionadas, o procedimento pode sim, em algum momento, gerar algum tipo de desconforto ou mesmo dor, a depender do quadro clínico e da sensibilidade da pessoa. Mas, em geral, as sensações descritas são plenamente suportáveis.

Mito X verdade

É muito importante ressaltar que o objetivo da Eletroneuromiografia jamais é o de testar os níveis de dor do paciente – esse é mais um dos mitos que vão sendo passados adiante, e que acabam por ser prejudiciais para a saúde de quem não busca informações em fontes seguras. Ter medo do exame e adiar a sua realização só dá mais tempo para que os riscos de complicações aumentem e os problemas se agravem.

A Eletroneuromiografia é um exame seguro, realizado por médicos neurologistas especialistas em Neurofisiologia (leia sobre esta especialidade AQUI, NESTE LINK), cujo conhecimento e perícia são indispensáveis para a observação e a avaliação precisa dos dados coletados. Na Clínica Vita, contamos com um time de profissionais qualificados nessa área, sempre auxiliados também por profissionais de Enfermagem, durante toda a realização do procedimento, a fim de proporcionar mais conforto e o melhor acolhimento aos nossos pacientes.

Para saber ainda mais sobre o tema, acesse a lista de perguntas e respostas preparadas por nossos especialistas, clicando AQUI, NESTE LINK. Para falar diretamente com a nossa equipe, utilize o chat on-line (ativo de segunda a sexta-feira, das 9h às 21h, e aos sábados, das 9h às 11h) ou deixe os seus contatos em nossos formulários, para que as atendentes retornem o mais brevemente possível.

Essa publicação foi atualizada em 17 de setembro de 2021 11:04

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

8 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

9 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás