Categorias: ArtigosDestaques

Quando é preciso procurar um médico geneticista?

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Compartilhe

A Genética Médica é uma especialidade um tanto desconhecida, não só por parte da população em geral, mas também por parte de outras especialidades médicas.

O médico geneticista possui graduação em Medicina e Residência e/ou título de especialista em Genética Médica. Por isso, está apto a realizar consultas médicas, solicitar exames e prescrever tratamentos, quando indicados.

Uma dúvida sempre fica: quando se deve consultar um médico geneticista?

Apesar de haver uma gama de situações nas quais a avaliação por um médico geneticista é recomendada, podemos dividir essas situações em três grandes grupos: condições pré-concepcionais ou pré-natais (ou seja, antes da gravidez ou antes do nascimento de uma criança, respectivamente), condições pediátricas e da idade adulta.

Exemplos de condições pré-concepcionais ou pré-natais nas quais se sugere avaliação com médico geneticista:

  • Idade materna ou paterna avançada;
  • Consanguinidade (pais que têm parentesco próximo);
  • Pai e/ou mãe com doença genética ou portador assintomático de uma doença genética;
  • Anormalidades no exame ultrassonográfico na gestação, como aumento da translucência nucal e malformações fetais;
  • Anormalidade em exame genético realizado na gestação;
  • Exposição a teratógenos na gestação (radiação, infecções, drogas, medicações, álcool, etc);
  • Antecedente de natimortos e/ou perdas gestacionais recorrentes;
  • História familial de doenças genéticas na família;
  • História familial de complicações na gestação relacionadas a fatores genéticos.

Exemplos de condições pediátricas nas quais se sugere avaliação com médico geneticista:

  • Recém-nascido com teste do pezinho alterado;
  • Hipotonia congênita (bebê muito “molinho”);
  • Ultrassonografia na gestação com feto com crescimento intrauterino restrito de causa desconhecida;
  • Malformação única ou múltiplas malformações e/ou anomalias menores (como alterações na face, mãos, pés, etc);
  • Características faciais ou corporais “diferentes”, que fogem do padrão da família, principalmente se acompanhadas de atraso do desenvolvimento neuropsicomotor ou deficiência intelectual;
  • Baixa ou alta estatura, assimetria corpórea, dificuldade em ganhar peso, obesidade;
  • Condições neurológicas que podem ter causa genética, como algumas formas de ataxia, neuropatias, miopatias;
  • Doenças metabólicas ou sintomas que sugiram doenças metabólicas, tais como convulsões de difícil controle, aumento de fígado e/ou baço, hipoglicemia persistente, acidose, vômitos cíclicos, involução neuropsicomotora;
  • Anormalidades oculares e/ou déficit visual;
  • Surdez associada ou não a outras alterações / malformações;
  • Tumores / câncer na infância;
  • Manchas ou outras alterações de pele cuja avaliação por um dermatologista indique que possam ter causa genética ou fazer parte de uma síndrome genética;
  • Problemas hematológicos, como anemia, baixo número de plaquetas, alteração da coagulação, com suspeita de causa genética ou história familial positiva;
  • História familial significativamente positiva para doenças psiquiátricas;
  • Pai ou mãe com alteração cromossômica.

Exemplos de condições na idade adulta nas quais se sugere avaliação com médico geneticista:

  • Anormalidade na maturação sexual ou atraso da puberdade;
  • Infertilidade;
  • Perdas gestacionais recorrentes;
  • Baixa ou alta estatura;
  • Câncer(es) sabidamente associado(s) a mutações em genes específicos, ou vários cânceres em uma mesma pessoa ou vários tipos de câncer em uma mesma família;
  • Mesmas condições da infância listadas acima, caso não tenham sido avaliadas na infância.

Rachel Honjo,
Médica Geneticista

Fontes:

Pletcher BA, Toriello HV, Noblin SJ, Seaver LH, Driscoll DA, Bennett RL, Gross SJ. Indications for genetic referral: a guide for healthcare providers. Genet Med. 2007;9(6):385-9.

Genetic Alliance. The New England Public Health Genetics Education Collaborative. Understanding Genetics: A New England Guide for Patients and Health Professionals (Capítulo 6) Fevereiro 2010.

Essa publicação foi atualizada em 13 de abril de 2019 14:47

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

4 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

5 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás