Categorias: ArtigosDestaques

A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alta Performance

Compartilhe

Simone Amorim,
neurologista infantil e neurofisiologista.

Nos últimos anos, toda a literatura médica acerca do autismo vem mudando e ganhando novos rumos, principalmente em relação à  classificação desse quadro.

Desde 2013, o DSM 5 (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) retirou as chamadas desordens pervasivas da infância, desenvolvimentos pervasivos da infância não específicos, Síndrome de Asperger e transtorno do autismo, e passou a classificar todas essas condições sob uma única denominação: o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Ainda controversa e motivo de muita discussão entre cientistas, médicos, pais e cuidadores, essa classificação é a que rege e balisa nossos diagnósticos. Devemos segui-la, mesmo que na clínica diária muitas vezes seja difícil explicar para pais e cuidadores que aquela criança que fala com desenvoltura, que tem uma inteligência na média – ou, até mesmo, elevada -, que tem boa comunicação e interação social dentro de seu núcleo familiar restrito (pai e mãe), mas que é inábil socialmente fora deste círculo, seja uma criança autista, mesmo que leve.

Esses casos têm sido de longe os mais desafiadores para nós, médicos. Quando nos deparamos com essa situação, podemos estar diante de dois diagnósticos, isto é, de dois subgrupos do TEA: a Síndrome de Asperger e/ou Autismo de Alta Performance.

Considerados autismo leve para alguns, a Síndrome de Asperger e o Autismo de Alta Performance, muitas vezes, se mascaram ou têm seu diagnóstico demorado, devido ao fato das pessoas relacionarem o autismo a pacientes que não se comunicam.

Mas a Síndrome de Asperger e o Autismo de Alta Performance são formas verbais de autismo. As crianças desenvolvem a fala nesses casos e, muitas vezes, têm um excelente discurso. Pode ter havido ou não algum atraso na aquisição da linguagem, mas após aprenderem a falar, elas falam bem. Essas crianças são inteligentes, têm bom rendimento escolar e, muitas vezes, são vistas como tímidas ou muito retraídas.

No entanto, elas trazem em si a imensa dificuldade de comunicação e interação social. Dificuldade e, comumente, incapacidade de reconhecer e entender sentimentos externos, de se enxergar no outro.

Quase todos esses pacientes vão apresentar algum grau de hiperacusia (sensibilidade exagerada aos ruídos), além de algumas estereotipias ou ecolalia (repetir sons). Todas essas dificuldades e/ou inabilidades podem ser percebidas muito precocemente (antes dos dois anos), mesmo antes de qualquer diagnóstico médico ou teste poder efetivar o diagnóstico do autismo.

Atualmente, a premissa mais importante no tratamento do autismo é o diagnóstico e a intervenção precoce, para que, assim, possamos atuar com as terapias adequadas e oferecer ferramentas para ajudar essas crianças a driblar as suas dificuldades e a criar e moldar seus próprios conceitos e o conceito sobre o mundo externo.

Trabalhar para melhorar a habilidade na interação e na comunicação social das crianças com Síndrome de Asperger e no Autismo de Alta Performance ajudará a torná-las adultos mais seguros, confiantes e com um índice muito menor de comorbidades, como outros distúrbios psiquiátricos.

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 15:42

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Pacientes sofrem mais com crises de enxaqueca durante a pandemia

Maiores níveis de estresse, tensão e ansiedade, junto com as alterações na rotina, têm propiciado ambiente ideal para agravamento das…

2 semanas atrás

Atendimento rápido e monitoramento diminuem índices de morte pela Covid-19

Quase um semestre após a primeira identificação do novo coronavírus, e com muito ainda por se descobrir sobre a sua…

3 semanas atrás

Médicos dão dicas sobre cuidados de saúde importantes durante a quarentena

Sabe aquela história de “fazer do limão uma limonada”? Quem entende de saúde e de qualidade de vida propõe justamente…

4 semanas atrás

Lives tiram dúvidas sobre autismo e outros quadros, em tempos de quarentena

Muito ativa nas redes sociais, a neurologista infantil e neurofisiologista Simone Amorim, diretora da Clínica Vita, está atenta à tendência…

1 mês atrás

Incidência de Transtorno do Espectro Autista segue em crescimento

A prevalência de indivíduos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) segue crescendo! As últimas estatísticas americanas mostram uma prevalência de…

2 meses atrás

Por que todos devem usar máscaras?

Em se tratando de fórmulas para o combate ao novo coronavírus, existem poucas certezas absolutas neste momento. O uso de…

2 meses atrás