Ano histórico na área da toxina botulínica

Compartilhe

Por Simone Amorim,
Neurologista Infantil

A última semana foi intensa, exaustiva, mas de um ganho em aprendizado sem precedentes. Na sequência do curso de Anatomia Humana em Cadáver, voltado para o aprimoramento da Técnica de Injeçao de Toxina Botulínica, participei do Congresso Mundial de Neurotoxinas da INA (International Neurotoxins Association), da qual agora sou membro efetivo.

Este é um ano histórico para nós, médicos que nos dedicamos ao estudo da toxina botulínica, pois este foi o primeiro congresso oficial realizado desde que a INA foi criada, em 2010. Agora sim temos uma sociedade que norteará todas as diretrizes a serem tomadas em relação ao estudo e à aplicação da toxina.

O congresso foi espetacular. O nível de excelência dos professores convidados foi altíssimo. Vários deles eu já conhecia e admirava através de seus inúmeros artigos publicados, como os professores Alberto Albanese, Mark Hallet e Joseph Jankovic.

Estar com esses profissionais foi fascinante. Passar uma tarde inteira fazendo workshop sobre distonia cervical, em um grupo pequeno, com a professora Cynthia Comella foi uma experiência que jamais esquecerei.

No geral, vimos também que o universo terapêutico da toxina botulínica segue em franca expansão. Muito foi falado sobre as indicações neurológicas já consagradas, como distonia, espasticidade e tremores. O tratamento da bexiga neurogênica com toxina botulinica cada vez mais desponta como um procedimento de bons resultados clínicos.

O uso da toxina para enxaqueca também foi discutido intensamente. Outro tema debatido foi a aplicação de toxina botulínica nas glândulas salivares de crianças com paralisia cerebral, doenças neurodegenerativas – como a de Niemann Pick C – e de adultos com doenças de Parkinson e Alzheimer, com a finalidade de reduzir a produção de saliva e o risco de broncoaspiraçoes.

O congresso foi completo ao abranger ciências básicas e estudos clínicos. Volto hoje para casa e já estou ansiosa para o II Congresso da INA, que será em 2014, na Europa.

Até lá, sigo partilhando com vocês aqui no blog mais informações sobre as novidades na área e sempre disponível para buscar dados e esclarecer, naquilo que eu puder, as dúvidas sobre o uso terapêutico da substância. Portanto, participem com perguntas. Vamos colocar este assunto na mesa!

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 15:37

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

2 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

2 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

2 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

3 meses atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

3 meses atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 meses atrás