Categorias: Artigos

Autismo: sinais precoces merecem atenção

Compartilhe

Patrícia Lobo,
Neurologista Infantil

Dra Patrícia Lobo

Falando agora de modo aberto e simples para o público em geral: o autismo não é simples para ninguém. Não é fácil para a família aceitar o diagnóstico, não é fácil para o médico informar o diagnóstico, não é fácil manter a rotina de tratamento multidisciplinar.

Mas vamos tentar resumir o que é essencial: a criança é o essencial. Então vamos focar nela.

O primeiro passo é alertar aos pediatras gerais para dar importância às primeiras queixas dos pais (mesmo que às vezes pareçam excessos de pais zelosos):

“Meu filho não me olha nos olhos, incomoda-se com barulhos, tem fixação por cheiros, não balbucia, não fala, anda nas pontas dos pés, não gosta de outras crianças, mexe muito as mãos, brinca com carrinhos de um jeito estranho, não sorri…”

Já vimos diversas primeiras queixas que não são comportamentos exclusivos de crianças autistas, mas que, na dúvida, devem ser encaminhadas para um neuropediatra ou psiquiatra infantil.

Diagnóstico e tratamento

Não existe uma idade mínima para desconfiar de autismo, sabemos que com o desenvolvimento, os sinais e os critérios para o diagnóstico vão se tornando mais claros. Com uma literatura já robusta, sabemos que quanto mais precoce esse acompanhamento e tratamento, melhores são os resultados.

Já temos terapias que podem ser instituídas a partir de um ano que mostram os melhores resultados quando são aplicadas de modo intensivo e frequente. Então, não podemos perder tempo para engajar a equipe multidisciplinar.

O autismo não tem cura, mas existem remédios para controlar alguns comportamentos e doenças associadas e a estimulação precoce com equipe multidisciplinar que pode modificar o curso da doença e oferecer mais oportunidades à criança que sempre é o nosso foco principal.

Nosso objetivo como médicos dessa criança é diminuir o impacto dessa doença em várias esferas: social, intelectual, familiar e individual. Nosso objetivo é dar apoio e oferecer o que a Medicina tem de mais contemporâneo e seguro, lado a lado de profissionais das mais diversas áreas.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

2 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

2 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

2 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

3 meses atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

3 meses atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 meses atrás