Categorias: ArtigosNeurologia

Brincar com o bebê ajuda a desenvolver a parte motora

Compartilhe

Por Simone Amorim,
Neurologista Infantil

Quando falamos para os pais e cuidadores que o uso dos andadores para bebês é uma atitude totalmente desprovida de lógica e que eles em nada contribuem para o desenvolvimento da marcha, uma pergunta que costuma surgir é: mas não é correto estimular o bebê?

Sim, é totalmente correto e necessário estimular o bebê! Quanto mais a criança é estimulada, mais ela responde positivamente na forma de desenvolvimento cerebral e cognitivo. Ela aumenta o número de sinapses (conexões entre as células do cérebro) e quanto mais ela aprende, mais ávida e preparada estará.

Entretanto, o que é preciso ficar claro, conforme tenho explicado nos meus posts sobre o tema, é que os andadores não representam nenhum estímulo para a criança. Não há desafio no andador. A criança simplesmente é colocada no mesmo e algumas ainda nem conseguem colocar o pé no chão e, quando conseguem, o que elas fazem é jogar o peso do corpo e trocar passos. Isso é instinto, não aprendizado.

Portanto, o desenvolvimento da marcha não será acelerado com o andador. Isso, somado ao risco de acidentes graves que o equipamento oferece, no caso de haver qualquer segundo de descuido por parte do adulto que está tomando conta da criança, faz com que esse acessório seja definitivamente contraindicado pelos médicos.

Para estimular o bebê, nada melhor do que deixá-lo livre para explorar o ambiente – claro, sempre com a supervisão de um adulto e com o espaço devidamente preparado para o trânsito deste pequeno e curioso indivíduo.

Colocar um edredon, um colchonete ou um tapete de borracha no chão e passar algum tempo brincando com o seu bebê é a melhor coisa para o seu desenvolvimento neuropsicomotor.

Deixar que a criança se arraste para buscar um brinquedinho, jogar bolinha de pano ou borracha com delicadeza na sua direção, dar
brinquedinhos que a desafiem a fazer o encaixe de peças…Tudo isso contribui muito mais para o seu amadurecimento neurológico (e
consequentemente para o aprendizado da marcha) do que o andador.

Vale lembrar ainda que crianças que ficam demasiado tempo no colo ou em carrinhos, geralmente também são pouco estimuladas.

A criança aprende brincando. Além disso, esses gostosos momentos também estreitam a relação entre pais e filhos, sem riscos ou efeitos colaterais.

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 15:37

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

1 semana atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

2 semanas atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 semanas atrás

Pandemia também põe em risco a saúde mental

A pandemia de Covid-19 também tem causado danos à saúde mental das pessoas. O cenário que envolve riscos biológicos, drásticas…

4 semanas atrás

Pacientes sofrem mais com crises de enxaqueca durante a pandemia

Maiores níveis de estresse, tensão e ansiedade, junto com as alterações na rotina, têm propiciado ambiente ideal para agravamento das…

2 meses atrás

Atendimento rápido e monitoramento diminuem índices de morte pela Covid-19

Quase um semestre após a primeira identificação do novo coronavírus, e com muito ainda por se descobrir sobre a sua…

2 meses atrás