Categorias: DepressãoNotícias

Cardiologista alerta para o perfil de jovens com riscos de infarto

Compartilhe

Em geral, é considerado jovem para infarto quem tem menos de 45 anos. Contudo, nos últimos tempos, casos assim têm sido cada vez mais noticiados e, segundo o cardiologista Aécio Gois, eles representam hoje de 3% a 10% dos infartos gerais, sendo que a mortalidade nesses casos (2,7%) é cinco vezes maior do que em outras faixas etárias.

Segundo o especialista, a maioria dos infartos nessa faixa etária ocorre predominantemente em homens, apesar de estar sendo observado um aumento considerável de mulheres atingidas pelo problema, nos últimos anos. Alguns fatores de risco costumam estar associados a essas incidências:

  • Histórico familiar de doença precoce;
  • Tabagismo (presente em nada menos do que 75% dos casos);
  • Dislipidemia (altas taxas de gorduras no sangue, sobretudo o colesterol LDL e os triglicérides).

Embora problemas genéticos possam estar associados às altas taxas de lipídios (gorduras) no sangue, outras situações também podem levar a esse desequilíbrio, tais como: diabetes mal controlado, uso de determinadas medicações, abuso no consumo de álcool e utilização de altas doses de anabolizantes. A obesidade também tem influência significativa no metabolismo lipídico e deve ser encarada como importante fator para o seu controle.

Prevalência da depressão

Dr. Aécio Gois chama atenção ainda para a grande prevalência dos quadros de depressão ou, pelo menos, de sintomas depressivos antecedendo ou precedendo os casos de infarto. Por isso, além da adoção de um estilo de vida saudável e da realização de check-ups médicos regulares, o cardiologista também incentiva a atenção à saúde psicoemocional.

No artigo disponível aqui neste link, escrito especialmente para o Blog da Vita, o especialista alerta também para a solidão (que é diferente da depressão, mas um fator potencialmente desencadeante da mesma) como uma importante questão de Saúde Pública. Segundo ele, o problema afeta cada vez mais jovens nas faixas etárias entre 18 e 22 anos (geração Z) e entre 23 e 37 anos (geração Y).

Visitas ao cardiologista

O infarto é ainda um quadro mais prevalente entre pessoas com mais de 50 anos de idade, sendo que a sua principal causa entre essa população é a aterosclerose (obstruções coronarianas). Contudo, o infarto em pessoas jovens, com menos de 45 anos, costuma apresentar uma taxa de mortalidade até cinco vezes maior e dificilmente está relacionado a obstruções coronarianas.

As consultas preventivas ao cardiologista podem fazer toda a diferença nesses casos. Hoje, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) recomenda que jovens saudáveis realizem a primeira visita a esse especialista aos 20 anos de idade. Se tudo estiver bem e o paciente não apresentar nenhum fator que o coloque em grupos de risco, o retorno pode acontecer a cada cinco anos, passando a ser anual a partir dos 35 anos de idade.

Já quando a pessoa apresenta algum fator de risco, esse acompanhamento deve acontecer na frequência solicitada pelo médico. Todos os exames solicitados devem também ser realizados dentro dos prazos e levados para avaliação pelo profissional.

Essa publicação foi atualizada em 13 de setembro de 2019 09:02

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Você sabia que existe um médico especialista em dor?

Sim, existe um Dia Mundial de Combate à Dor e ele é assinalado agora, a 17 de outubro. Estima-se que…

1 semana atrás

Música traz benefícios diretos para o Processamento Auditivo Central (PAC)

Muitas pessoas nem sequer desconfiam que têm o Transtorno do Processamento Auditivo Central, mas enfrentam diversos prejuízos por causa disso,…

3 semanas atrás

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

3 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

3 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

3 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

4 meses atrás