Categorias: Sem categoria

Check-up do coração: por que ele é fundamental?

Compartilhe

Por Aécio Gois,
Cardiologista

A origem precisa do check-up é incerta. O médico inglês Horace Dobell, já em 1861, preconizou a avaliação de pessoas sadias por suspeitar que várias doenças apresentavam um período assintomático e que o diagnóstico e o tratamento nesse período poderiam alterar a sua história natural.

Ao longo dos últimos anos, se questionou o check-up tradicional, onde se faziam inúmeros exames indiscriminados. Hoje, o check-up renasce com um novo conceito, baseado na relação médico-paciente – que é o pilar de sustentação para a prática da Medicina, servindo de base para a conduta médica.

O check-up deve ter como base o histórico do paciente e o exame físico associado a alguns exames subsidiários indicados de acordo com o sexo, a idade e os achados da anamnese. O check-up deve contemplar a prevenção primária (rastreamento de tabagismo, álcool, indicação de vacinas) e secundário (mamografia,rastreamento de câncer como intestino).

O objetivo do check-up não deve se resumir à realização do diagnóstico de doença, mas uma oportunidade de fazer o indivíduo adotar hábitos de vida saudáveis (como emagrecer, fazer atividade física diária, parar de fumar e beber). Há necessidade de acompanhamento dos fatores de risco e tratamento dos quadros encontrados.

Os principais fatores de risco relacionado a morte preveníveis são:

1) Tabagismo
2) Pressão arterial elevada
3) Obesidade e sobrepeso
4) Inatividade física
5) Glicemia elevada
6) LDL colesterol elevado
7) Ingesta de sal elevada
8) Uso de álcool
9) Baixa ingesta de frutas e vegetais
10) Dieta pobre em ácidos graxos poliinsaturados

A doença cardiovascular é a principal causa de morbimortalidade no mundo. Ela tem vários fatores de risco modificáveis, como o tabagismo e a hipertensão arterial sitêmica.

Algumas recomendações de prevenção são:

1) Investigar o aumento da pressão arterial em pacientes acima dos 18 anos.
2) Investigar o perfil lipídico (colesterol e triglicerídios) em pacientes com risco de doença coronariana a partir dos 20 anos, tanto homens como mulheres.
3) Investigar diagnóstico de diabetes em todos os pacientes com pressão arterial maior que 135/85.
4) Orientar as medidas para cessação do tabagismo.
5) Orientação de atividade física diária de 30 minutos/dia, por pelo menos 6 x na semana.

Essas orientações devem ser reforçadas num check-up. Algumas outras medidas serão discutidas em próximos posts. Até breve.

Essa publicação foi atualizada em 17 de agosto de 2019 15:08

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

1 semana atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

2 semanas atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 semanas atrás

Pandemia também põe em risco a saúde mental

A pandemia de Covid-19 também tem causado danos à saúde mental das pessoas. O cenário que envolve riscos biológicos, drásticas…

4 semanas atrás

Pacientes sofrem mais com crises de enxaqueca durante a pandemia

Maiores níveis de estresse, tensão e ansiedade, junto com as alterações na rotina, têm propiciado ambiente ideal para agravamento das…

2 meses atrás

Atendimento rápido e monitoramento diminuem índices de morte pela Covid-19

Quase um semestre após a primeira identificação do novo coronavírus, e com muito ainda por se descobrir sobre a sua…

2 meses atrás