Categorias: Artigos

Como é o ciclo de tratamento da enxaqueca com a toxina botulínica?

Compartilhe

Simone Amorim,
neurofisiologista e neurologista infantil

Depois das quatro primeiras aplicações, além da melhora imediata após cada procedimento, o padrão de dor e de crises tende a ter mudanças significativas a longo prazo. A pessoa passa a necessitar de aplicações muito mais espaçadas ou, às vezes, nem isso.

Não, não estou dizendo que já temos uma cura para a enxaqueca – como seria bom dar essa notícia. Porém, é preciso insistir na informação de que hoje temos, sim, um tratamento altamente eficaz, que tem sido um divisor de águas na vida de muitos enxaquecosos!

Naturalmente, esses prazos referidos no protocolo representam uma MÉDIA estabelecida em consensos internacionais de especialistas, após décadas de estudos científicos e de acompanhamento dos resultados em pacientes tratados com a substância. As respostas podem variar conforme cada caso, como é mais do que esperável em Medicina.

Mas na minha própria prática clínica em consultório e na minha experiência pessoal com o tratamento (já contei aqui, em outros posts, que eu também sofro de enxaqueca), tenho constatado que, realmente, a cada aplicação, o resultado faz-se mais duradouro e, com o tempo, as crises, quando surgem, vão se tornando menos intensas e mais facilmente controláveis.

No meu caso, minha primeira aplicação foi há cinco anos. Depois de cumprir o ciclo de 12 meses, realizando uma reaplicação a cada três meses, venho fazendo apenas aplicações anuais.

É claro que um bom controle dos gatilhos das crises é também uma frente importante no sucesso de qualquer tratamento de controle da enxaqueca. E, conforme já escrevi em tantos outros posts, essa é uma parte que depende muito mais do autoconhecimento, da auto-observação e da mudança de hábitos do paciente, do que do tipo de tratamento ministrado.

A enxaqueca é crônica e multifatorial. Precisa ser atacada em várias frentes, sendo que cada caso apresenta seu histórico e seu potencial de resposta em particular.

Entretanto, o que podemos dizer hoje com o tratamento com a toxina botulínica é que, além de apresentar efeitos colaterais mínimos, ele apresenta uma perspectiva de mudança (leia-se melhoria) no padrão das crises do paciente. Em se tratando de uma patologia crônica e altamente incômoda como é a enxaqueca, essa é uma ótima notícia!

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 15:41

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Sialorreia: um sintoma que precisa ser observado no paciente neurológico

Comum em pacientes com quadros neurológicos, a sialorreia é caracterizada pela dificuldade na retenção e deglutição da saliva ou pela…

2 meses atrás

Tratamentos com toxina botulínica em foco entre Neurologistas Infantis

As terapias realizadas com toxina botulínica na área da Neurorreabilitação têm chamado cada vez mais atenção dos especialistas em Neurologia…

2 meses atrás

Por um olhar mais atento às doenças raras nos atendimentos de Saúde

Enfermeiros de todo o Brasil se reuniram em Salvador (BA), para se aprofundarem em protocolos de atendimento e no conhecimento…

2 meses atrás

Fonoaudióloga da Vita também brilha nos palcos como cantora

A fonoaudióloga Simone Sperança, que integra o Corpo Clínico da Vita e é responsável pelo setor de Audiologia da clínica,…

3 meses atrás

Especialistas da Vita falam no maior evento de Neurologia Infantil do país

Especialistas da Clínica Vita darão palestras e workshops durante o Congresso Brasileiro de Neurologia Infantil, que acontece em Recife, de…

3 meses atrás

Dia da Paralisia Cerebral é celebrado com ações inclusivas em todo o mundo

Especialistas e pacientes da Clínica Vita participam do I Encontro do Dia Mundial da Paralisia Cerebral, em piquenique no Parque…

4 meses atrás