Contração muscular exagerada é tratada com toxina botulínica

Compartilhe

O uso da toxina botulínica para tratar pacientes que sofrem com a Espasticidade (contrações musculares exageradas) será o tema central de um encontro que reunirá médicos de toda a América latina, neste final de semana, na Cidade do México, no México, “Stepping Forward in Spasticity Management to Achieve Patients Goals”.

A terapêutica tem sido cada vez mais usada por especialistas para a reabilitação de pacientes com sintomas e sequelas na área neurológica.

Os quadros conhecidos clinicamente pelo nome de Espasticidade, nos quais um ou mais músculos do corpo sofrem contrações exageradas, podem ser altamente dolorosos, incômodos e limitantes para os pacientes.

Diversas patologias levam à Espasticidade e essa condição pode acometer desde crianças na mais tenra idade até idosos, conforme explica a neurologista infantil e diretora clínica da Vita, Simone Amorim, que estará presente no evento científico no México.

Portanto, a Espasticidade não é uma doença, mas sim um sintoma de algumas patologias neurológicas. Ela acontece quando o sistema nervoso central sofre algum agravo, como a falta de oxigenação, e as células nervosas perdem a capacidade de exercerem suas funções, o que leva a hipertonia muscular, ou seja, à contração excessiva dos músculos.

A discussão de casos clínicos e a troca de experiências sobre a terapêutica com a toxina botulínica são os grandes objetivos do encontro internacional neste final de semana.

Nas crianças, quadros de paralisia cerebral e de doenças genéticas neurodegenerativas estão associadas à Espasticidade. Já nos adultos, a associação frequente é com as sequelas de Acidente Vascular Cerebral, de traumatismo crânio encefálico ou com a evolução de doenças crônicas, como a Esclerose Múltipla, Doença de Parkinson, e Alzheimer, conforme explica Simone.

“A toxina botulínica é uma grande aliada no tratamento desses quadros neurológicos, por causa de sua importante ação no relaxamento dos músculos”, detalha a médica. A técnica é administrada por neurologistas ou fisiatras, sendo que o número e a frequência das aplicações varia de acordo com cada caso e as condições gerais do paciente.

A especialista revela que, progressivamente, a terapêutica vem sendo cada vez mais associada aos trabalhos de reabilitação. “A toxina botulínica é uma aliada importante na reabilitação neurológica dos pacientes e deve sempre ser inserida em um programa multidisciplinar, onde estejam envolvidos o médico fisiatra, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais”, diz.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

4 dias atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

1 semana atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

2 semanas atrás

Pandemia também põe em risco a saúde mental

A pandemia de Covid-19 também tem causado danos à saúde mental das pessoas. O cenário que envolve riscos biológicos, drásticas…

3 semanas atrás

Pacientes sofrem mais com crises de enxaqueca durante a pandemia

Maiores níveis de estresse, tensão e ansiedade, junto com as alterações na rotina, têm propiciado ambiente ideal para agravamento das…

1 mês atrás

Atendimento rápido e monitoramento diminuem índices de morte pela Covid-19

Quase um semestre após a primeira identificação do novo coronavírus, e com muito ainda por se descobrir sobre a sua…

2 meses atrás