Contração muscular exagerada é tratada com toxina botulínica

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Compartilhe

O uso da toxina botulínica para tratar pacientes que sofrem com a Espasticidade (contrações musculares exageradas) será o tema central de um encontro que reunirá médicos de toda a América latina, neste final de semana, na Cidade do México, no México, “Stepping Forward in Spasticity Management to Achieve Patients Goals”.

A terapêutica tem sido cada vez mais usada por especialistas para a reabilitação de pacientes com sintomas e sequelas na área neurológica.

Os quadros conhecidos clinicamente pelo nome de Espasticidade, nos quais um ou mais músculos do corpo sofrem contrações exageradas, podem ser altamente dolorosos, incômodos e limitantes para os pacientes.

Diversas patologias levam à Espasticidade e essa condição pode acometer desde crianças na mais tenra idade até idosos, conforme explica a neurologista infantil e diretora clínica da Vita, Simone Amorim, que estará presente no evento científico no México.

Portanto, a Espasticidade não é uma doença, mas sim um sintoma de algumas patologias neurológicas. Ela acontece quando o sistema nervoso central sofre algum agravo, como a falta de oxigenação, e as células nervosas perdem a capacidade de exercerem suas funções, o que leva a hipertonia muscular, ou seja, à contração excessiva dos músculos.

A discussão de casos clínicos e a troca de experiências sobre a terapêutica com a toxina botulínica são os grandes objetivos do encontro internacional neste final de semana.

Nas crianças, quadros de paralisia cerebral e de doenças genéticas neurodegenerativas estão associadas à Espasticidade. Já nos adultos, a associação frequente é com as sequelas de Acidente Vascular Cerebral, de traumatismo crânio encefálico ou com a evolução de doenças crônicas, como a Esclerose Múltipla, Doença de Parkinson, e Alzheimer, conforme explica Simone.

“A toxina botulínica é uma grande aliada no tratamento desses quadros neurológicos, por causa de sua importante ação no relaxamento dos músculos”, detalha a médica. A técnica é administrada por neurologistas ou fisiatras, sendo que o número e a frequência das aplicações varia de acordo com cada caso e as condições gerais do paciente.

A especialista revela que, progressivamente, a terapêutica vem sendo cada vez mais associada aos trabalhos de reabilitação. “A toxina botulínica é uma aliada importante na reabilitação neurológica dos pacientes e deve sempre ser inserida em um programa multidisciplinar, onde estejam envolvidos o médico fisiatra, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais”, diz.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

6 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

6 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás