Categorias: DestaquesNotícias

Dois vilões que podem acabar com a alegria do verão

Compartilhe

Desidratação e intoxicação alimentar são dois problemas que costumam andar juntos durante o verão. São comuns nesta época do ano, devido a uma combinação de fatores, e esses quadros são responsáveis pelo fim antecipado da diversão de muita gente.

A higienização muitas vezes precária e a conservação inadequada de alimentos, que tendem a perecer muito mais facilmente no calor, criam as situações propícias às intoxicações alimentares. A isso, o organismo reage com quadros de diarreia e vômito, que, por sua vez, aumentam o risco de desidratação.

Quando muito severa, a desidratação pode sim levar à morte. Quando leve, porém prolongada, a desidratação contribui para o surgimento de problemas crônicos de saúde, tais como insuficiência renal, pedra nos rins, além de problemas gastrointestinais e cardíacos.

O corpo desidratado, além de líquidos, perde sais minerais. Bebês, idosos e pessoas com a saúde já debilitada ou portadores de doenças crônicas são especialmente susceptíveis à desidratação. Familiares e cuidadores devem estar atentos a esses indivíduos e providenciar para diminuir os riscos nesta época do ano.

Conhecer os fatores de risco e os sintomas da desidratação é a principal forma de evitar que a chegada do verão faça novas vítimas.

Os sintomas da desidratação são:

– Sede excessiva, com boca e mucosas secas;
– Olhos ressecados;
– Pouca urina;
– Respiração ofegante;
– Queda de pressão;
– Fadiga;
– Podem ocorrer delírios e perda de consciência.

Como evitar:

– A ingestão de água deve corresponder a, pelo menos, 2 litros por dia;
– Água de coco e sucos de frutas também contribuem para manter uma boa hidratação;
– As roupas devem ser leves e arejadas;
– Evitar a exposição solar em excesso;
– Alimentação leve, com presença de vegetais e frutas;
– Não comer alimentos preparados que tenham ficado fora da geladeira por muito tempo.

Pessoas com sintomas de desidratação devem ser levadas a um pronto-atendimento. Em alguns casos, é necessária a internação. Em outros, após a avaliação clínica, o paciente é liberado para que a reidratação seja feita em casa, com a prescrição de ingestão do soro caseiro, distribuído gratuitamente nos postos de saúde e nas unidades da rede Farmácia Popular.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

4 dias atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

2 semanas atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

2 semanas atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

4 semanas atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

1 mês atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

1 mês atrás