Categorias: DestaquesNotícias

Dor de cabeça atinge mais de 90% da população

Compartilhe

Cefaleia ou cefalgia é o nome técnico de um dos sintomas mais comuns no ser humano: a dor de cabeça. Existe mais de uma centena de causas para o surgimento desse quadro, que atinge mais de 90% das pessoas, em alguma altura da vida.

As dores de cabeça estão, portanto, entre as queixas mais comuns entre a população adulta em todo o mundo. Mas quando os episódios se tornam recorrentes (mais de três vezes por semana, por um período igual ou superior a três meses), o quadro precisa ser investigado, pois pode ser indicativo de alguma patologia mais grave ou de algum problema crônico, que pode comprometer diretamente a funcionalidade e a qualidade de vida.

Identificar corretamente o tipo de cefaleia da qual o paciente está sofrendo é muito importante para a condução de um tratamento seguro e assertivo.

As chamadas cefaleias primárias são aquelas nas quais a dor NÃO é um sintoma resultante de uma outra patologia de base, mas sim a patologia em si. Esse é o caso da enxaqueca, da cefaleia tensional e da cefaleia em salvas, por exemplo.

Nesses casos, o diagnóstico é clínico, com base no acompanhamento dos padrões e das características das crises. Mas exames laboratoriais e de imagens são solicitados, para descartar a existência de outras patologias.

Já as cefaleias secundárias são resultantes de algum problema de base, como tumores, lesões, sangramentos, entre outras patologias instaladas no cérebro e/ou crânio. Nesses casos, exames laboratoriais e de imagem (como as tomografias e ressonâncias, que são muito importantes) costumam indicar, com maior precisão, onde exatamente está a causa da dor e a extensão do problema.

Por isso, apesar de comum, a dor de cabeça não deve ser subestimada e nem tratada com automedicação. O “remedinho” de alívio tomado indiscriminadamente e sem a devida orientação médica pode mascarar o problema de fundo e, até mesmo, ajudar a contribuir para a piora do sintoma.

Quando os episódios de dor de cabeça se tornam recorrentes, o neurologista deve ser procurado para que seja feita a investigação da causa e a prescrição de um tratamento seguro.

Profissionais entrevistados:
Dra. Simone Amorim
Dr. Luiz Rodrigo Marinho

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 18:26

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Sialorreia: um sintoma que precisa ser observado no paciente neurológico

Comum em pacientes com quadros neurológicos, a sialorreia é caracterizada pela dificuldade na retenção e deglutição da saliva ou pela…

2 meses atrás

Tratamentos com toxina botulínica em foco entre Neurologistas Infantis

As terapias realizadas com toxina botulínica na área da Neurorreabilitação têm chamado cada vez mais atenção dos especialistas em Neurologia…

2 meses atrás

Por um olhar mais atento às doenças raras nos atendimentos de Saúde

Enfermeiros de todo o Brasil se reuniram em Salvador (BA), para se aprofundarem em protocolos de atendimento e no conhecimento…

2 meses atrás

Fonoaudióloga da Vita também brilha nos palcos como cantora

A fonoaudióloga Simone Sperança, que integra o Corpo Clínico da Vita e é responsável pelo setor de Audiologia da clínica,…

3 meses atrás

Especialistas da Vita falam no maior evento de Neurologia Infantil do país

Especialistas da Clínica Vita darão palestras e workshops durante o Congresso Brasileiro de Neurologia Infantil, que acontece em Recife, de…

3 meses atrás

Dia da Paralisia Cerebral é celebrado com ações inclusivas em todo o mundo

Especialistas e pacientes da Clínica Vita participam do I Encontro do Dia Mundial da Paralisia Cerebral, em piquenique no Parque…

4 meses atrás