Categorias: ArtigosNeurologia

Epilepsia é comum na infância

Compartilhe

O termo epilepsia assusta muitos pais e familiares, soa como uma sentença, algo de muito ruim na vida da criança. No entanto, devido ao processo de maturação cerebral, as epilepsias (crises convulsivas) são mais comuns na infância do que muitos imaginam.

Algumas crianças podem ter as chamadas convulsões por febre, já falamos delas aqui. Mas hoje vamos falar sobre as convulsões sem febre. Nos primeiros anos de vida, as células do cérebro fazem bilhões de conexões, tornando-o mais suscetível às crises convulsivas. Alguns fatores genéticos também podem estar envolvidos, mas nem sempre é possível estabelecer esse fator como causa.

Os exames que podem auxiliar no diagnóstico são o eletroencefalograma e os exames de imagem, como tomografia de crânio ou ressonância magnética de encéfalo. Mas cada caso tem de ser analisado individualmente pelo médico.

A ciência já conhece os mecanismos fisiológicos que ocorrem durante uma crise convulsiva, mas não sabe ainda o que faz com que as células do cérebro entrem em “curto-circuito” e disparem todas ao mesmo tempo, nem qual o comando que o cérebro recebe para iniciar uma crise convulsiva. A grande maioria das epilepsias na infância é benigna e se resolverá até a adolescência.

Entretanto, algumas vezes, as crises podem ser frequentes e necessitarem de medicação. Uma dúvida comum entre os pais é saber se, uma vez iniciada a medicação, a criança a usará para sempre. Geralmente, não. Conseguimos tirar as medicações após um período livre de crises (que será estabelecido pelo neurologista que a acompanha).

As crises, quando curtas, não causam danos ao cérebro, mas ainda assim assustam muito quem está à volta de quem as sofre. Uma vez iniciada uma crise convulsiva, é importante proteger a criança, deitá-la em ambiente seguro, afrouxar suas roupas, virá-la de lado (para evitar o risco de aspirações, caso ela vomite) e esperar com calma a crise passar.

Jamais se deve colocar o dedo ou qualquer objeto na boca de alguém em crise. O que dizem sobre enrolar a língua é mito. Na realidade, o que ocorre é que, logo após uma crise, a criança fica hipotônica (com os músculos muito relaxados) e a língua, como é um músculo, também relaxa – este é outro motivo para virar a criança de lado, pois, assim, a língua relaxará para o lado e não para trás.

No momento de hipotonia, também surge a salivação excessiva, porque durante a crise, a criança não deglutiu e agora existe um excesso que extravasará da boca. Outro mito é o que diz que essa saliva seria contagiosa. Trata-se da mesma secreção que produzimos naturalmente, apenas em maior quantidade. Epilepsia não se transmite.

As epilpesias, quando ocorrem em crianças saudáveis e com desenvolvimento neurológico normal, tendem a desaparecer na adolescência. Esses indivíduos respondem bem às medicações e, geralmente, não precisam de mais de um tipo de remédio. Mas o tratamento jamais deve ser suspenso pelos pais sem o conhecimento do médico, sob o risco de as crises voltarem e, assim, o prazo para retirada definitiva ter de ser estendido.

Essa publicação foi atualizada em 9 de setembro de 2019 11:53

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

2 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

2 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

2 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

3 meses atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

3 meses atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 meses atrás