Categorias: Dicas Notícias

Especialista dá dicas para uma boa higiene vocal

Postamos recentemente aqui no blog um artigo sobre a importância do acompanhamento fonoaudiológico para as pessoas que cantam profissionalmente. Mas o fato é que, conforme alerta a fonoaudióloga Joyce Fialho, a atenção ao preparo vocal deve ser dada a todas as pessoas que têm a voz como ferramenta de trabalho e não só aos cantores. Profissionais como professores, radialistas, apresentadores de TV, palestrantes, operadores de telemarketing, advogados, entre outros, também devem estar atentos à sua “higiene vocal”.

Segundo a especialista, esse tipo de acompanhamento implica em desenvolver um projeto vocal, parecido com o que é desenvolvido para os cantores, ou seja, um plano terapêutico que poderá envolver desde treinamentos até aquecimentos para serem realizados no dia a dia do orador.

O objetivo é ajudar na projeção da voz e, ao mesmo tempo, proteger as estruturas da laringe/faringe, evitando lesões que possam se transformar em problemas crônicos, capazes de comprometer em definitivo a saúde das pregas vocais (PPVV).

Os riscos envolvidos nos esforços repetitivos e no uso incorreto da voz envolvem desde a fadiga vocal imediata, depois de um dia especialmente exaustivo, até o desenvolvimento de pólipos, nódulos e cistos nas pregas vocais, (que, se não diagnosticados previamente e tratados de maneira correta, podem levar à perda da capacidade vocal).

“O ato de falar diariamente exige muito da musculatura laríngea, pois é lá que estão os “músculos da voz”. É necessário saber usá-los de forma correta, para que isso não resulte em alterações estruturais mínimas”, observa Joyce.

O objetivo da fonoterapia, nesses casos, é desenvolver a consciência de como a voz é produzida e de como é a psicodinâmica vocal, para que o indivíduo adquira a discriminação auditiva (feedback auditivo), sabendo projetar a voz dentro da sua capacidade.

Em seu consultório, a fonoaudióloga atende muitos profissionais que, com o passar dos anos de atividade profissional, já começaram a sofrer com o envelhecimento natural da voz. Mas ela conta que também tem atendido, cada vez mais, pessoas preocupadas com uma abordagem preventiva em relação à sua qualidade vocal.

Além do desenvolvimento de projeto vocal personalizado, envolvendo treinamentos e exercícios para as necessidades específicas de cada paciente, a fonoaudióloga ressalta a importância da “higiene vocal”. Ela explica que na Fonoaudiologia, esse conceito se refere às condições necessárias para a preservação da voz, envolvendo questões como cuidados com a alimentação e adoção ou eliminação de determinados hábitos.

As condições de “higiene vocal” impactam na voz de todas as pessoas. E, para quem vive da fala, isso pode acarretar sérios prejuízos à carreira. Mas para as pessoas, de um modo geral, maus hábitos e falta de cuidados com a preservação da voz podem significar sérios problemas e comprometimentos da qualidade de vida, com o passar do tempo.

COMO MANTER UMA BOA HIGIENE VOCAL

-Hidratação: ingerir pelo menos dois litros de água por dia faz bem a todo o organismo e também preserva a voz. A musculatura interna da laringe não consegue um bom desempenho se não estiver bem hidratada;

Vale lembrar aqui que algumas pessoas são mais sensíveis ao choque térmico. Sugerimos, assim, evitar em dias muito quentes a ingestão de bebidas muito geladas e de tudo o que promove mudanças bruscas de temperatura em um organismo que poderá estar suscetível;

– Ar-condicionado: além de modificar a temperatura do ambiente de trabalho, ocorre redução da umidade do ar, ressecando a mucosa da faringe/laringe. Especialmente para quem tem problemas respiratórios como asma, sinusite e bronquite, isso aumenta a secreção, promovendo pigarro e muita tosse que, em excesso, pode lesionar as pregas vocais;

– Alimentação: o excesso de alimentos muito gordurosos, condimentados, com conservantes e corantes, derivados do leite, chocolate e café, além de promover aumento de secreção, pode gerar o RGE (refluxo gastroesofágico), que irrita e abala as pregas vocais, promove queimação e a sensação de algo parado na garganta;

– Mastigação: uma boa mastigação propicia um relaxamento da musculatura da mandíbula, ajudando a articulação e a devida emissão da voz;

– Quantidade e qualidade do sono:
o relaxamento e o descanso proporcionados por uma noite bem dormida são fundamentais para preservar as estruturas envolvidas na produção da voz. Precisamos, em média, de 8 horas de sono por noite;

– Cigarro e álcool: além de todos os males que trazem para o organismo, essas substâncias trazem rouquidão com o passar dos anos e pigarro constante. A longo prazo, o quadro pode evoluir para lesões sérias e até câncer de boca, de laringe e de pulmões.

Disqus Comments Loading...
Compartilhe

Recentes

Campanha alerta sobre impactos das dores de cabeça na qualidade de vida

"Mesmo que você tenha boas explicações para as suas dores, se você tem três ou mais episódios de dor de…

7 dias atrás

Enxaqueca é a segunda doença mais incapacitante do mundo

Dados atualizados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) neste ano apontam a enxaqueca como a segunda maior causa de…

2 semanas atrás

Autismo: desmistificar é o primeiro passo para a verdadeira inclusão

Abril é um mês dedicado ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). No último dia 02, tivemos o Dia Mundial de…

2 meses atrás

Dieta cetogênica é recomendada no controle da epilepsia

Há importantes novidades no tratamento dos pacientes epilépticos. A Liga Brasileira de Epilepsia, em seu mais novo protocolo, incorporou a…

2 meses atrás

Down é a síndrome genética de maior incidência

A Síndrome de Down é uma síndrome genética decorrente da presença de um cromossomo a mais, no par 21 - por isso,…

2 meses atrás

Superexposição de crianças ao mundo digital preocupa especialistas

A superexposição desde cedo das crianças às telas eletrônicas vem preocupando profissionais de saúde em todo o mundo. Na opinião da…

2 meses atrás