Categorias: Neurologia

Incidência de Transtorno do Espectro Autista segue em crescimento

Compartilhe

A prevalência de indivíduos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) segue crescendo! As últimas estatísticas americanas mostram uma prevalência de 1 autista para cada 54 crianças. Os dados anteriores eram de 1 para 59.  O que justificaria esse aumento? A melhor detecção certamente é uma das razões! O diagnóstico de indivíduos com QI mais alto, outros com sintomas mais leves e indivíduos que tenham sido negligenciados anteriormente.

O diagnóstico do TEA pode ser feito nos primeiros três anos de vida, mas essa ainda não é a realidade da maior parte dos casos

O diagnóstico de TEA, pode ser feito nos primeiros 3 anos de vida, geralmente por volta dos 24 meses de idade. Infelizmente, observamos um diagnóstico tardio em boa parte dos casos! Ainda que os sintomas se mostrem precocemente, a idade média ao diagnóstico é por volta de 4 anos e meio. Mesmo com toda a divulgação, apenas 43% das crianças com TEA recebem uma avaliação adequada do desenvolvimento aos 3 anos de idade!

Que neurologista infantil nunca escutou a famosa frase: “Disseram para esperar o tempo da criança?” Então eu me pergunto: realmente é o melhor a fazer? Esse tipo de conduta vai contra todo o esforço que se faz pela suspeição e diagnóstico precoce. Sabe-se que a detecção precoce possibilita uma adequada intervenção comportamental e do desenvolvimento já no início dos sintomas, e isto pode melhorar substancialmente os resultados.

Mas quais seriam os sinais e sintomas de TEA?

Observam-se comprometimentos essenciais na comunicação social e a presença de comportamentos estereotipados, restritos e repetitivos. A apresentação do TEA é muito heterogênea. Há indivíduos com comportamentos motores repetitivos proeminentes, outros podem ter interesses restritos. Há indivíduos minimamente verbais, outros falam fluentemente, mas com poucas habilidades de comunicação; o funcionamento intelectual pode ser prejudicado ou muito maior que a média.

A Academia Americana de Pediatria recomenda a triagem para TEA em todas as crianças com idades entre 18 e 24 meses, usando ferramentas on-line disponíveis gratuitamente para clínicos e pais.

Se um pai ou uma mãe demonstra preocupação referente ao comportamento do seu bebê, no que se refere à fala ou vocalização, contato visual pobre, não apontar o que deseja, não compartilhar interesses, escassez de sorriso social, não responder quando chamado por seu nome… Isto deve ser levado muito a sério e avaliado adequadamente, pois pode ser a primeira indicação de problemas!

Existem ferramentas de avaliação bem validadas e adequadas às diferentes idades para que se estabeleça um diagnóstico e recomendações de intervenção. Deve-se avaliar a comunicação social, a presença de comportamentos estereotipados ou repetitivos, interesses sensoriais incomuns, habilidades intelectuais, habilidades de fala e linguagem e funcionamento adaptativo, além do relato dos pais sobre a história do desenvolvimento da criança. Portanto, o diagnóstico é clínico! Deve ser feito por uma equipe multidisciplinar capacitada para tal. Atualmente, não existem biomarcadores clinicamente validados para o diagnóstico de TEA.

As crianças diagnosticadas como portadoras de TEA precisarão de encaminhamento para tratamento individualizado. Uma intervenção comportamental intensiva pode maximizar os resultados nos domínios críticos da comunicação, QI e função adaptativa para crianças pequenas com TEA. O treinamento dos pais com intervenções comportamentais fornecidas pelo terapeuta pode melhorar ainda mais os resultados para crianças pequenas!

Quando usar medicamentos?

O tratamento dos principais sintomas de TEA atualmente é feito por terapias, mas a medicação pode ser usada para tratar condições comórbidas que podem prejudicar o desenvolvimento desses indivíduos. Alterações de comportamento como ansiedade, hiperatividade, desatenção e distúrbios de sono devem ser tratadas com medicamentos quando indicado.

Trocando em miúdos: se você tem dúvidas sobre o desenvolvimento do seu filho, sobre comportamentos que ele apresente e que lhe pareçam peculiares, não tenha receio de buscar avaliação e obter uma resposta. Não espere o tempo passar! Procure ajuda! Busque uma avaliação com uma equipe capacitada. O diagnóstico e intervenção precoce são muito importantes! E caso seja um equívoco seu, tudo bem! O dilema se resolve e seguimos em frente!

Um ótimo Abril Azul para Todos Nós!

Essa publicação foi atualizada em 21 de abril de 2020 15:43

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Eugênia Fialho

Neurologista Infantil

Recentes

Você sabia que existe um médico especialista em dor?

Sim, existe um Dia Mundial de Combate à Dor e ele é assinalado agora, a 17 de outubro. Estima-se que…

2 semanas atrás

Música traz benefícios diretos para o Processamento Auditivo Central (PAC)

Muitas pessoas nem sequer desconfiam que têm o Transtorno do Processamento Auditivo Central, mas enfrentam diversos prejuízos por causa disso,…

4 semanas atrás

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

3 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

3 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

3 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

4 meses atrás