Categorias: Dicas

Qual é a hora certa de visitar um cardiologista?

Compartilhe

Que o cardiologista é o grande amigo do nosso coração, todo mundo já sabe. Mas será que damos mesmo chances para que esse especialista possa nos oferecer toda a atenção e o cuidado que esse órgão vital exige?

O cardiologista é o especialista médico que zela pelo bom funcionamento do nosso coração

Na nossa cultura de saúde, pouco trabalhada para valorizar a prevenção, é muito comum que o cardiologista seja procurado somente quando surgem indícios de algum problema.

Muitas vezes, para que a visita ao consultório aconteça, é preciso passar pelos chamados “sustos”, como episódios de taquicardia, crises de falta de ar ou uma dor forte no peito. Pode não ser nada. Mas pode também ser o indício de uma situação que inspira mais cuidados e observação ou, na pior das hipóteses, pode já ser tarde demais. Deixar para recorrer ao médico somente quando os problemas surgem é uma aposta arriscada!

Pior ainda é quando, mesmo diante dos sinais de alerta, o paciente continua a protelar a ida ao consultório, por razões irracionais, como medo do diagnóstico ou por pensar que será julgado pelo seu estilo de vida. Nesses casos, resta ao especialista proceder aos atendimentos de urgência, muitas vezes diante do risco de morte, e tendo de recorrer a soluções drásticas para salvar a vida.

Primeira consulta aos 20 anos

Em um cenário ideal, todas as pessoas saudáveis visitariam o cardiologista ao completar 20 anos de idade. Esse primeiro check-up não só mostra como está o estado físico geral do jovem adulto, como serve para se observar indicadores importantes para a manutenção e a evolução de sua saúde.

No caso de pacientes saudáveis, primeira visita ao cardiologista deve ser feita aos 20 anos

Além do que será apontado pelos exames realizados, contam também o histórico familiar para doenças cardíacas, o uso de cigarros e de outras drogas, o sobrepeso, a prática de atividades físicas, entre outras variáveis sobre o estilo de vida e estado geral de saúde. Estando tudo OK, o retorno deve acontecer a cada cinco anos, até que a pessoa complete 35 anos de idade.

Check-ups anuais após os 35 anos

A partir dos 35 anos de idade, mesmo com um bom histórico familiar e com a saúde indo bem, o retorno ao cardiologista deve ser anual. Os check-ups clínicos periódicos e a realização dos exames de rotina indicados pelo médico são fundamentais para dar um bom suporte a um estilo de vida saudável.

Após os 35 anos: consultas e check-ups anuais, inclusive para quem leva uma vida saudável

Mesmo para aquelas pessoas disciplinadas com a alimentação, que praticam atividade física e que procuram manter hábitos saudáveis, a vida moderna impõe desafios e condições que, muitas vezes, vão na contramão de uma boa saúde: o estresse é uma realidade, muitos alimentos aparentemente saudáveis escondem “pegadinhas”, e até a prática de exercícios regulares, tão recomendada a todos, precisa ser bem dosada e adequada à realidade de cada indivíduo, para que o benefício não se transforme em um risco.

A visita anual ao cardiologista é, portanto, uma forma de checar se tudo está mesmo indo bem e de fazer ajustes diante dos mínimos sinais de alerta. Isso mesmo: quanto mais atento é o acompanhamento de indicadores como peso, perímetro abdominal, marcadores do sangue, respostas aos esforços físicos, etc., maiores as chances de não ser pego de surpresa por nenhum problema e de garantir uma vida longa e saudável ao seu coração!

Os seus check-ups não estão em dia?

Dê ao seu coração e à sua saúde a atenção merecida!

Clique aqui e agende a sua consulta com um de nossos cardiologistas em São Paulo.

Sinais de alerta e medidas extraordinárias

Quando alguma doença é diagnosticada ou quando o médico detecta alguma anormalidade que precisa ser acompanhada mais de perto, ele irá determinar a frequência com que as consultas e os exames precisarão ser realizados. Há casos, inclusive, que exigem internação, para cuidados hospitalares ou intensivos.

Mas, antes que uma situação agravada aconteça, vale a pena estar especialmente atento a situações de alerta, marcando logo a visita ao consultório do cardiologista!

Esteja especialmente atento em QUALQUER UM destes casos:

– Histórico familiar de problemas cardíacos;
Pressão arterial elevada ou picos hipertensivos;
Sobrepeso;
Sedentarismo;
– Ser fumante;
– Situações prolongadas de estresse;
– Uso abusivo de álcool;
– Uso de qualquer tipo de droga;
Diabetes;
– Sintomas como cansaço, falta de ar e palpitações;
– Dores no peito ao realizar esforço ou atividade física.

Essa publicação foi atualizada em 25 de agosto de 2019 17:28

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

2 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

2 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

2 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

3 meses atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

3 meses atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 meses atrás