Categorias: ArtigosNeurologia

Quando a salivação é um desconforto

Compartilhe

Por Simone Amorim,
Neurologista infantil

Pessoas saudáveis produzem de 1.000 a 1.500ml de saliva em 24 horas pelas glândulas salivares parótidas, submandibulares e sublinguais. Estas glândulas, juntas, são responsáveis pela produção de 90% do volume diário e outras glândulas menores produzem os 10% restantes.

Muitas doenças neurológicas evoluem com dificuldades no controle motor da cavidade oral (boca), seja da mastigação, deglutição ou dos músculos da língua e do palato.

Quando a produção de saliva excede a habilidade do indivíduo de transportá-la da boca até o estômago, a sua permanência, o seu extravasamento para fora da boca e a aspiração podem ocorrer, além de concomitante dificuldade na mastigação e articulação.

A presenca de sialorreia (salivação excessiva) é estigmatizante, e a prevalência em muitas doenças neurológicas é elevada. A sialorreia ocorre em torno de 50% dos pacientes com ELA, 70% na doença de Parkinson, e entre 10% a 80% dos pacientes com paralisia cerebral. A prevalência da sialorreia nestas afecções é elevada, com comprometimento da integração social, com importantes dificuldades na realização das atividades motoras orais durante a alimentação e a fala, com repercussões na qualidade de vida.

Medicações orais têm sido tentadas para a redução da salivação, como o glicopirrolato, escopolamina e atropine. Porém, todas têm efeito sistêmico e o uso crônico pode levar a efeitos colaterias pouco tolerados.

A cirurgia inclui excisão submandibular bilateral e ligadura dos ductos parotídeos. Esta técnica tem apresentado excelentes resultados. Porém, não é isenta de riscos, principalmente para muitos destes pacientes que apresentam doenças crônicas associadas.

O fluxo de saliva sofre influência do sistema nervoso autonômo parassimpático e simpático, que promove a contração das fibras musculares dos ductos salivares.

Visando o bloqueio dos receptores da acetilcolina, estudos demonstram a eficácia da aplicação de toxina botulínica tipo A nas glândulas parótidas e submandibulares. O uso da toxina botulínica representa um grande avanço no tratamento de diversos distúrbios neurológicos.

Mais recentemente, a capacidade da toxina botulínica em realizar quimiodenervação nas junções neuroglandulares tem sido utilizada e como opção de tratamento para pacientes com sialorreia, com bons índices de redução da produção de saliva, reduzindo, assim, a estase ou o extravasamento da cavidade oral e o risco de broncoaspiraçoes que podem causar pneumonias de repetição e outras infecções de vias aéreas, sem contar a melhora na autoestima e na qualidade de vida, uma vez que sialorreia é causa importante de isolamento social nesses pacientes.

Para saber mais sobre o assunto, vale uma visita aos links:

http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1698-69462007000700008&nrm=iso&tlng=pt

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-72992005000500004&script=sci_arttext

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 15:38

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Você sabia que existe um médico especialista em dor?

Sim, existe um Dia Mundial de Combate à Dor e ele é assinalado agora, a 17 de outubro. Estima-se que…

6 dias atrás

Música traz benefícios diretos para o Processamento Auditivo Central (PAC)

Muitas pessoas nem sequer desconfiam que têm o Transtorno do Processamento Auditivo Central, mas enfrentam diversos prejuízos por causa disso,…

3 semanas atrás

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

3 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

3 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

3 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

4 meses atrás