Riscos de demência são maiores entre hipertensos

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Compartilhe

Que a hipertensão é um perigo para a sua saúde, você já sabe. Mas hoje vamos tratar de uma ameaça bastante específica, ocasionada por esse quadro, que ainda não é tão enfatizada nas campanhas de conscientização, mas que merece muito a sua atenção: as estatísticas mostram que, ao longo dos anos, o hipertenso corre maior risco de desenvolver quadros de demência.

Ao longo do tempo, a pessoa que convive com a pressão arterial elevada tem maiores riscos de ter perdas cognitivas e até mesmo quadros demenciais

Um estudo publicado pela European Heart Association aponta que, entre os 50 e os 75 anos de idade, a pressão arterial ligeiramente elevada já é suficiente para elevar em 45% os riscos de demência. O levantamento foi conduzido por uma equipe da London´s Global Universit (UCL), sobre dados de 8.639 indivíduos rastreados desde 1985.

Há também levantamentos brasileiros que apontam na mesma direção. Em dezembro de 2020, a revista Hypertension publicou uma pesquisa, realizada no Brasil, mostrando que a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) está associada a um declínio de cognição e de memória em adultos de forma acelerada, que não faz parte do processo natural de envelhecimento. Os dados são do Estudo Longitudinal e Multicêntrico Elsa-Brasil – que está em andamento em seis capitais, acompanhando 15 mil funcionários públicos, com idades de 35 a 74 anos.

Quando microvasos cerebrais são lesionados

Estamos muito acostumados a ouvir falar da estreita relação entre a hipertensão arterial e os casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC) – que, quando não tiram a vida, costumam deixar sequelas físicas e/ou cognitivas, com grande impacto sobre a funcionalidade do paciente, devido às lesões que o acidente vascular (isquêmico ou hemorrágico) pode causar no cérebro. Mas como exatamente a pressão arterial elevada causa declínios cognitivos (chegando a quadros de demência) em indivíduos que não sofreram um AVC?

“Pressão arterial elevada significa que o sangue vai passando com mais pressão pelos vasos sanguíneos. Isso, com o tempo, gera danos à microvasculatura cerebral, ou seja, aquela rede de microvasos vai sendo lesionada, e deixando de irrigar adequadamente o cérebro. Isso acaba afetando áreas de cognições que viabilizam, por exemplo, a memória, a velocidade de processamento de informações, a linguagem, e a capacidade de comunicação, etc.”, explica o neurologista vascular Pablo Nascimento.

Segundo o neurologista Pablo Nascimento, a demência vascular ocorre devido a lesões na microvasculatura cerebral que vão ocorrendo ao longo dos anos

Segundo o especialista, esse quadro é denominado demência vascular e, além de poder ser desencadeado pela HAS, pode também ser causado por outros fatores que afetem a vascularização cerebral, como no caso do diabetes. Dentre os principais sintomas, estão: apatia, déficits de atenção e disfunção executiva (diminuição da capacidade de planejar e organizar as tarefas).

“Existe também o Parkinsionismo Vascular, que é quando os déficits cerebrovasculares afetam regiões relacionadas ao controle dos movimentos, gerando sintomas semelhantes aos da Doença de Parkinson, mas sem ser essa doença propriamente dita”, explica Pablo.

Alzheimer, derrames e aneurismas

O médico chama a atenção ainda para o fato de que, além da demência vascular, a hipertensão está também relacionada a uma série de outras doenças neurológicas. “Pessoas com pressão elevada estão em grupos de maior risco para a Doença de Alzheimer, que é um quadro degenerativo. Além disso, as ocorrências de aneurismas e AVCs são também mais comuns entre esses indivíduos”, sublinha.

No Brasil, 80% dos casos de AVC (também conhecido popularmente como “derrame cerebral”) estão relacionados a HAS. É uma incidência elevadíssima, que ainda exige muita ação para a conscientização das pessoas, além de atenção redobrada dos especialistas.

“O grande desafio é sermos mais espertos do que a hipertensão. Antes de tudo, é preciso prevenir o seu aparecimento, por meio de orientações que devem ser dadas por todos os médicos aos seus pacientes, falando sobre a importância da adoção de hábitos saudáveis e da manutenção dos acompanhamentos de rotina”, defende. No caso das pessoas que já apresentam alguma doença neurológica instalada, o controle da pressão arterial é importantíssimo para prevenir a recorrência e a progressão dos sintomas.

Campanha e ações de conscientização

Ao longo do ano, algumas datas são especialmente dedicadas às ações de conscientização sobre os riscos da hipertensão. Recentemente, no dia 17 de maio, foi assinalado o Dia Mundial da Hipertensão. Nas redes sociais da Clínica Vita, divulgamos informações e orientações a respeito do tema, incluindo vídeos informativos gravados pela nossa diretora clínica, Simone Amorim, que também abordou o tema em suas redes sociais (CLIQUE AQUI, PARA VER ESSES CONTEÚDOS).

Além de todos os riscos cerebrovasculares apontados aqui, neste post, a hipertensão também afeta o funcionamento de diversos outros órgãos e sistemas do organismo. Dentre eles, claro, está o coração, mas também os rins e os olhos são especialmente afetados pela pressão sanguínea elevada.

DICAS PARA MANTER A PRESSÃO ARTERIAL SOB CONTROLE:

  • Combata o sedentarismo. A prática regular e bem orientada de atividade físicas é importantíssima;
  • Prime por uma alimentação saudável e bem balanceada (com especial atenção para não exagerar no consumo de sal e de alimentos gordurosos);
  • Tenha atenção com o controle do peso. Isso nada tem a ver com questões estéticas, mas sim de saúde;
  • NÃO fume;
  • Consuma álcool com moderação (ou não consuma);
  • Zele por uma boa gestão dos níveis de estresse, cuidando bem da sua saúde psicoemocional (busque ajuda para um melhor equilíbrio nesse campo, se for necessário);
  • Mantenha em dia as consultas e os exames de rotina, lembrando de monitorar a pressão arterial dentro da regularidade indicada pelo seu médico.

Essa publicação foi atualizada em 21 de junho de 2022 16:29

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

9 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

9 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

2 anos atrás