Categorias: Dicas

Sente-se angustiado no Natal? Saiba que você não está sozinho!

Se tem uma data perante a qual é praticamente impossível passarmos indiferente, esse momento é o Natal. Evocando paz, amor e harmonia, o clima invade todas as esferas. Mas a data está longe de ser uma unanimidade!

Se, por um lado, há aqueles que saboreiam cada instante dos rituais festivos, por outro, há muita gente que se angustia nessa época. Com tanto apelo para as celebrações e confraternizações, não são poucos os que se sentem deslocados nessa altura do ano, conforme salienta a psicóloga Cássia Denadai.

“O Natal evoca coisas muito boas, mas esse período emblemático também pode mexer com sentimentos que a pessoa ainda prefere que permaneçam resguardados”, observa.

Lembranças tristes ou carências vividas no momento presente são algumas das principais questões dolorosas que têm grande potencial para aflorarem nessa época, segundo a terapeuta.

Muitas vezes, é só no consultório que o paciente se abre e consegue verbalizar a sua aversão às Festas. Mas, até chegar à terapia, caminho pode ser bastante doloroso.

“Se a pessoa simplesmente é daquelas que realmente não ligam para o Natal e, de fato, para ela, essa é uma data como outra qualquer, sem trazer nenhum sofrimento, não há nada com o que se preocupar! Mas, se há aí uma componente de profunda tristeza, angústia ou mesmo pânico diante da chegada da data, é interessante buscar entender as razões disso e, quem sabe, reelaborar esses significados”, sugere a psicóloga, que é especialista em Terapia Comportamental Cognitiva (TCC).


Algumas vezes, a aversão a determinados simbolismos – como no caso do Natal e tudo o que ele representa -, acaba por ser só a ponta de um novelo de questões que parecem ter ficado no passado, mas que ainda não estão cicatrizadas por completo.

Buscar identificar e trabalhar sentimentos e crenças que machucam e limitam é um movimento que, embora não seja fácil, tende a ser libertador.  Muitos caminhos podem levar a essa libertação. Mas, falando em Natal, há um que parece clichê, mas que de fato guarda enorme potencial terapêutico: o processo do perdão.

Momento presente

“Quando a pessoa consegue perdoar genuinamente, ela se liberta. Não importa muito o que o outro fará com isso, mas quem perdoou se sente mais leve e livre para seguir adiante, não ficando mais preso a algo ruim que tenha acontecido no passado”, explica Cássia, lembrando que, muitas vezes, também precisamos colocar o autoperdão em prática. Afinal, dar-se novas chances é, sobretudo, fazer uma boa conexão com o presente.

Em um momento como o Natal, onde todos estão comemorando e celebrando, muitas vezes surge a sensação de solidão e, até mesmo, o sentimento de inferioridade, quando, eventualmente, a pessoa sente que não tem com quem partilhar seus bons momentos. Nesses casos, pode não ser necessariamente nenhum “fantasma dos Natais passados” agindo aí, mas sim o que estamos fazendo do nosso aqui e agora, sinalizando que algo precisa mudar.

“Se não estou feliz com a minha situação presente, isso também merece reflexão”, indica a terapeuta. “Se estou me sentindo mal com o Natal, porque eu estou me sentindo sozinho, que relações então eu posso buscar cultivar ou resgatar para mudar essa minha situação?”

Eis uma boa questão a ser colocada para o Novo Ano, não é mesmo?!

Disqus Comments Loading...
Compartilhe

Recentes

Campanha alerta sobre impactos das dores de cabeça na qualidade de vida

"Mesmo que você tenha boas explicações para as suas dores, se você tem três ou mais episódios de dor de…

7 dias atrás

Enxaqueca é a segunda doença mais incapacitante do mundo

Dados atualizados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) neste ano apontam a enxaqueca como a segunda maior causa de…

2 semanas atrás

Autismo: desmistificar é o primeiro passo para a verdadeira inclusão

Abril é um mês dedicado ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). No último dia 02, tivemos o Dia Mundial de…

2 meses atrás

Dieta cetogênica é recomendada no controle da epilepsia

Há importantes novidades no tratamento dos pacientes epilépticos. A Liga Brasileira de Epilepsia, em seu mais novo protocolo, incorporou a…

2 meses atrás

Down é a síndrome genética de maior incidência

A Síndrome de Down é uma síndrome genética decorrente da presença de um cromossomo a mais, no par 21 - por isso,…

2 meses atrás

Superexposição de crianças ao mundo digital preocupa especialistas

A superexposição desde cedo das crianças às telas eletrônicas vem preocupando profissionais de saúde em todo o mundo. Na opinião da…

2 meses atrás