Categorias: Artigos

Solidão: um vilão para a sua saúde, comparável ao tabagismo e à obesidade

Compartilhe

A solidão mata. Estudos recentes têm demonstrado que a solidão é responsável por reduzir a expectativa de vida, equivale a fumar 15 cigarros por dia e causa mais danos do que a obesidade.

Vivemos “o paradoxo da mídia social”, onde nunca as pessoas se conectaram a tantas pessoas na história, porém, nunca se sentiram tão solitárias também na história.

Recentes estudos demonstram que a solidão tem se tornado um problema de Saúde Pública e um problema da vida moderna, impactando na saúde física e mental, e que o uso de Facebook, Instagram e Internet em geral tem correlação com a piora da solidão.

O estudo feito pela seguradora CIGNA demonstrou que mais da metade dos americanos se sentem solitários.

As gerações mais afetadas pela solidão são a geração Z (18-22 anos) e a geração Y (23-37 anos), até mais que as pessoas mais idosas.

Neste estudo foi demonstrado que a solidão equivale a mortalidade de fumar 15 cigarros por dia e tem impacto maior que a obesidade.

Como a solidão se tornou um problema de Saúde Pública ela deve ser combatida igual ao tabagismo, a obesidade, o HIV e o sedentarismo.

Deve fazer parte da consulta ao clínico geral o uso das mídias sociais do seu paciente e como ele se sente solitário.

A solidão é um grande problema de Saúde Pública e tem dobrado desde os anos 80. Recentemente, os pacientes têm reclamado mais para os seus clínicos de solidão que diabetes e doenças cardíacas.

Devemos ter cuidado de não diagnosticar solidão como sinônimo de depressão.

Estudos demonstram que solidão aumenta o risco de doenças cardíacas, AVC, altera o sistema imune e dificulta a recuperação do câncer. A solidão tem correlação próxima com depressão e pode predispor a morte mais precoce.

Um estudo da associação americana de psicologia demonstra que as pessoas que têm maior conexão social tem menos de 50% de chance de ter morte precoce.

As pessoas solitárias tem muito mais chance de ser obesas e morrerem precocemente.

Outro achado importante é que as pessoas que têm menos conexões sociais tem muito mais chances de desenvolver doença de Alzheimer.

Como combater a solidão?

  1. Faça atividades voluntárias;
  2. Faça atividades físicas e interaja com as pessoas na sua academia;
  3. Participe de grupos de livros, viagens, etc.;
  4. Faça alguma atividade educativa, não em EAP, mas presencial;
  5. Participe de algum grupo de comunidade religiosa;
  6. Fique menos nas redes sociais;
  7. Adote ou compre um pet, passeie com ele nos parques e interaja com outras pessoas que possuem animais.

Vamos prontamente combater a solidão!

Essa publicação foi atualizada em 28 de agosto de 2019 13:33

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dr. Aécio Gois

Cardiologista

Recentes

Você sabia que existe um médico especialista em dor?

Sim, existe um Dia Mundial de Combate à Dor e ele é assinalado agora, a 17 de outubro. Estima-se que…

6 dias atrás

Música traz benefícios diretos para o Processamento Auditivo Central (PAC)

Muitas pessoas nem sequer desconfiam que têm o Transtorno do Processamento Auditivo Central, mas enfrentam diversos prejuízos por causa disso,…

3 semanas atrás

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

3 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

3 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

3 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

4 meses atrás