Categorias: Artigos

Surto de microcefalia desafia a comunidade médica

Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Compartilhe

Simone Amorim,
neurofisiologista e neurologista infantil

FONTE da imagem: Portal G1/Globo.com

O aumento do número de recém-nascidos com microcefalia no Nordeste brasileiro tem sido noticiado nas últimas semanas, tendo sido classificado pelo Ministério da Saúde como algo gravíssimo e preocupante. Até agora são 399 casos registrados. Nos últimos dias 12 e 14, o tema ganhou destaque no Congresso Brasileiro de Neurologia Infantil, realizado em São Paulo.

Ainda é muito cedo para afirmar com certeza o que está causando essas alterações cerebrais. Algumas linhas de investigação foram adotadas e estão sendo coletadas amostras de sangue para exames – principalmente as sorologias para infecções congênitas.

A possibilidade ainda a ser confirmada é a de que esses casos possam estar relacionados a surtos dos vírus Zika e Chikungunya, que ocorreram em março deste ano no Nordeste. Cerca de 70% das mães desses recém-nascidos referem ter tido um quadro de exantema (vermelhidão e rush na pele), febre e prostração nos primeiros meses de gestação e a tese foi fortalecida diante da detecção do vírus no líquido aminiótico de duas gestantes com fetos com cérebro microcéfalo, no Estado da Paraíba.

Sendo assim, de imediato, a recomendação do Ministério da Saúde é a de que a gestante procure imediatamente o seu médico, tão logo perceba quadros febris, vermelhidão pelo corpo e dores articulares.

Os vírus Zika e o Chikungunya são da família do vírus da dengue e o mecanismo de transmissão também se dá pelo mosquito Aedes aegypti (o mosquito da dengue). Portanto, são doenças possíveis de serem transmitidas a todas as pessoas, independente de idade, sexo ou classe social.

Medidas especiais de proteção contra as picadas do mosquito também estão sendo recomendadas às gestantes, assim como está sendo reforçada, junto à população, a importância de medidas de contenção da proliferação do mosquito.

Mas o grande desafio colocado para a comunidade médica está no fato de que ainda não há relatos, na literatura especializada, de que esses vírus possam de fato causar tal grau de lesão no cérbro fetal. Essa hipótese ainda precisa ser devidamente estudada e confirmada – é importante que isso fique claro.

As médicas Vanessa van der Linden e Ana van der Linden foram as primeiras neurologistas infantis a perceberem que havia algo de estranho na recorrência de casos de crianças com microcefalia internadas nos berçários do Recife, nos meses de setembro e outubro deste ano. Em média, os casos em Pernambuco não passavam de dez por ano, mas nos últimos quatro meses foram confirmados 141. Piauí, Rio Grande do Norte e Paraíba também já relataram alterações nesse sentido.

Esse é um cenário que exige atenção e mobilização, tanto para as políticas imediatas de orientação pré-natal, quanto para a investigação das causas que podem estar associadas a esses surtos e o estabelecimento de medidas preventivas, que não deverão estar restritas apenas aos Estados nordestinos.

SAIBA MAIS SOBRE A MICROCEFALIA

– Microcefalia é um termo que se refere a um cérebro pequeno e com alterações em sua formação. O crânio de um recém-nascido deve ter entre 34cm e 36cm de perímetro cefálico. Medidas inferiores ou superiores a essas são consideradas anomalias – sendo que os casos em que esse diâmetro é inferior a 33cm são chamados de microcefalias;

– Microcefalia NÃO é uma doença neurológica, mas sim um sinal de que o cérebro sofreu alguma lesão durante as primeiras semanas de gestação. Esta lesão pode ser devido a alguma infecção materna (citomegalivírus, toxoplasmose, rubéola), por uso de drogas e/ou álcool, má-formação cerebral e até algumas doenças genéticas;

– Em relação aos casos do Nordeste, o que tem sido visto são crianças que nascem de termo (38-40 semanas), com um perímetro cefálico muito menor do que o esperado, variando entre 29cm e 33cm. As crianças não apresentam outros dismorfismos, mas todas apresentam uma grave má-formação cerebral, caracterizada por defeitos de migração do córtex cerebral, o que nos permite dizer que a lesão aconteceu em um período precoce da gestação (entre a 16ª e a 20ª semana);

– Entre as implicações esperáveis para o desenvolvimento dessas crianças, podemos citar significativo atraso neuropsicomotor – isto é, demora na aquisição de marcos motores, como sentar, andar e até falar. Esses pacientes também poderão evoluir com atrasos cognitivos e até crises convulsivas. São crianças que necessitarão de um acompanhamento multidisciplinar, por médicos fisiatras, neurologistas infantis, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos e psicoterapeutas.

ORIENTAÇÕES DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA GESTANTES

– TODA  a gravidez deve ser acompanhada em consultas pré-natal, realizando todos os exames recomendados pelo seu médico;

– Grávidas NÃO devem consumir bebidas alcoólicas ou qualquer tipo de drogas;

– Grávidas NÃO devem utilizar medicamentos sem a orientação médica;

– As gestantes devem EVITAR o contato com pessoas com febre, exantemas (rash e erupções cutâneas) ou infecções;

– Essas mulheres também devem reforçar os cuidados de PROTEÇÃO contra picadas de MOSQUITO, como manter portas e janelas fechadas ou teladas,  usar calças compridas e camisa de manga comprida, além de utilizar repelentes indicados para gestantes;

– TODAS as pessoas devem adotar medidas que possam reduzir a presença de mosquitos transmissores de doenças, com a eliminação de criadouros (retirar recipientes que tenham água parada e cobrir adequadamente locais de armazenamento de água).

Essa publicação foi atualizada em 24 de agosto de 2019 15:44

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

6 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

6 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás