Categorias: Notícias

Terapia baseada em estímulos diante de acertos ajuda crianças autistas

Um dos fatores que mais inquietam pais e familiares de pacientes com Transtorno do Espectro Autista (TEA) é a dificuldade de estabelecer uma comunicação eficiente com esses indivíduos e não saber como ajuda-los a interagir de forma funcional com o ambiente à sua volta. Nas últimas décadas, porém, um modelo terapêutico vem ganhando destaque nesse campo, sendo atualmente apontado como a abordagem mais bem-sucedida junto a esses pacientes. Trata-se do método ABA.

A fonoaudióloga Joyce Fialho explica que o termo vem do inglês Applied Behavior Analysis (ABA). No Brasil, a técnica é conhecida como Análise Aplicada do Comportamento ou, simplesmente, ABA.

Hoje, segundo ela, o método é a primeira indicação para o acompanhamento de crianças autistas.

“Essa é, basicamente, uma abordagem feita por meio da apresentação de estímulos que reforçam os acertos da criança. Para o autista, é muito difícil encontrar sentido no aprendizado e, principalmente, muito difícil lidar com a frustração do erro. Então, o método visa apresentar um programa gradual de aprendizagem para esses indivíduos, reforçando positivamente as suas respostas corretas, de modo que a criança desenvolva o gosto pela compensação do aprendizado”, detalha.

Cada plano de atendimento é montado de acordo com uma análise individualizada sobre o potencial e as necessidades do paciente. “O ensino é feito de forma intensiva e individualizada”, diz a fonoaudióloga, que já chegou até mesmo a acompanhar pacientes de outros países de língua portuguesa, desenvolvendo um plano específico de acompanhamento para cada caso.

Geralmente, a terapia é focada no desenvolvimento de habilidades necessárias para que o indivíduo possa ampliar o seu grau de independência, podendo se dar ênfase nas habilidades de comunicação e interação social, como aprender a estabelecer contato visual ou a pedir aquilo que se deseja, por exemplo.

Em outras situações, são estimulados os aprendizados de atividades diárias, como as noções de higiene e cuidados pessoais ou, ainda, a facilitação do acesso a conteúdos da vida escolar, como a matemática, ou a escrita e a leitura. “O que vamos trabalhar irá depender muito das características e das necessidades que mais prevalecem em cada paciente. Isso só pode ser determinado depois de uma atenta avaliação do caso”, enfatiza Joyce.

A fonoaudióloga faz questão de esclarecer ainda que o objetivo terapêutico jamais é transformar o paciente em “uma pessoa típica”.

“A criança autista será um adulto autista. O que precisamos é oferecer as condições para que essas pessoas desenvolvam bem as suas potencialidades, que são muito particulares, e assim devem ser trabalhadas. A meta é sempre ajudar esses pacientes a ganharem autonomia e lidarem melhor com o mundo à sua volta, melhorando a sua qualidade de vida, mas sem a expectativa de alterar a sua natureza”.

SAIBA MAIS SOBRE O MÉTODO

O que é o ABA: no Brasil, a técnica é conhecida como Análise do Comportamento Aplicada. A sigla vem do termo inglês: Applied Behavior Analysis. São, portanto, estudos que se originaram no campo científico do Behaviorismo, que observa, analisa e explica a associação entre o ambiente, o comportamento humano e a aprendizagem. Uma vez que um comportamento é analisado, um plano de ação pode ser implementado para modificar aquele comportamento.

Junto ao método, o terapeuta também poderá conciliar outras técnicas de estímulo ao aprendizado, como o PECS (Pictures Exchange Communication System), sistema de comunicação através de trocas de fichas ou figuras, por meio do qual se busca trabalhar as informações a partir dos temas que mais despertam interesse do paciente.

Quem pode ser atendido: o acompanhamento terapêutico da criança autista deve ser iniciado o mais precocemente possível, desde a mais tenra idade. Porém, adultos autistas também podem ser beneficiados com o método.

Como são as sessões: recomenda-se, no mínimo, sessões semanais, com duração de 30 a 50 minutos. Entretanto, dependendo da disponibilidade da família, o atendimento pelo terapeuta poderá compreender 20 horas semanais, uma vez que o ABA é uma terapia intensiva e visa um ciclo de aprendizagem que pode ter a duração de até dois anos. Muitas vezes, o processo também envolve a participação de um ou mais membros da família e/ou cuidadores do paciente.

Disqus Comments Loading...
Compartilhe

Recentes

Campanha alerta sobre impactos das dores de cabeça na qualidade de vida

"Mesmo que você tenha boas explicações para as suas dores, se você tem três ou mais episódios de dor de…

6 dias atrás

Enxaqueca é a segunda doença mais incapacitante do mundo

Dados atualizados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) neste ano apontam a enxaqueca como a segunda maior causa de…

1 semana atrás

Autismo: desmistificar é o primeiro passo para a verdadeira inclusão

Abril é um mês dedicado ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). No último dia 02, tivemos o Dia Mundial de…

2 meses atrás

Dieta cetogênica é recomendada no controle da epilepsia

Há importantes novidades no tratamento dos pacientes epilépticos. A Liga Brasileira de Epilepsia, em seu mais novo protocolo, incorporou a…

2 meses atrás

Down é a síndrome genética de maior incidência

A Síndrome de Down é uma síndrome genética decorrente da presença de um cromossomo a mais, no par 21 - por isso,…

2 meses atrás

Superexposição de crianças ao mundo digital preocupa especialistas

A superexposição desde cedo das crianças às telas eletrônicas vem preocupando profissionais de saúde em todo o mundo. Na opinião da…

2 meses atrás