Categorias: DicasNotícias

Terapia Cognitiva ajuda a deixar o cigarro

Compartilhe

O Dia Mundial Sem Tabaco, celebrado em 31 de maio, está quase aí. E a proposta que lançamos no início deste mês aqui no blog está valendo: que tal estender a abstinência por mais do que um dia? Que tal fazer dessa uma situação definitiva?

Sabemos, no entanto, que o cigarro envolve pelo menos dois tipos de dependência: a química e a psicológica. Infelizmente, nem sempre a vontade de parar ou a consciência dos males que o hábito provoca conseguem ser mais fortes do que a necessidade de fumar.

Para ajudar no controle da dependência química, hoje já existem medicamentos, adesivos e até gomas de mascar que aliviam as sensações de abstinência no organismo. Por outro lado, a relação emocional com o hábito pode ser o fator mais difícil de superar, pois geralmente ele está  associado a sensações de prazer, relaxamento, conforto ou segurança, por exemplo.

Vencer o vício é, assim, um desafio em várias frentes. Para isso, a determinação e a força de vontade do fumante são os pontos de partida, naturalmente. Mas uma rede de apoio, com profissionais capacitados para esse tipo de abordagem, também pode fazer toda a diferença para o sucesso de quem quer se livrar do tabagismo.

Segundo a psicóloga Cássia Danadai, a Terapia Comportamental Cognitiva (TCC) é uma das abordagens indicadas para esses casos.

“Entre as vantagens da TCC para essas situações, está o fato de que o tratamento define metas e coloca focos nas mesmas. Além disso, trabalhamos a mudança comportamental, que pode ser feita a partir da identificação de comportamentos antecedentes e consequentes ao ato de fumar. Ou seja, a partir da tomada de consciência das situações ou pensamentos que desencadeiam a vontade ou a necessidade de fumar, ajudamos o indivíduo a se reprogramar diante desses eventos”, explica.

Segundo a especialista, cada paciente exige um estudo e um levantamento individualizado para as situações desencadeantes e relacionadas ao vício. As metas estabelecidas também vão variar de pessoa para pessoa.

“Ao propor tais mudanças, surgirão dificuldades que podem estar associadas a crenças e perfis que fazem parte do histórico de cada um. É um trabalho de identificação, feito em conjunto entre o terapeuta e o paciente, no qual reconhecemos as situações-chave para poder intervir com as técnicas apropriadas”, detalha Cássia.

Outro tópico importante durante o tratamento está no incentivo à prática de atividades físicas. Os exercícios, segundo a terapeuta, desempenham um papel fundamental, tanto na estabilização do humor quanto na eliminação de toxinas.

Questionada sobre uma dica que poderia valer para qualquer fumante, Cássia aponta uma mentalização para os momentos de angústia durante uma crise de abstinência: “Lembre-se que essa sensação ruim dura apenas alguns minutos. Daí respire fundo, como num suspiro apaixonado – apaixonado por você, pela vida e pela sua vitória!”

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

2 meses atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

2 meses atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

2 meses atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

3 meses atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

3 meses atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 meses atrás