Categorias: DicasNotícias

Tire seu coração das zonas de riscos

Compartilhe

Setecentos milhões de pessoas, hoje, vão “brincar de roleta-russa”. A expressão serve bem para definir o que ocorre com uma enorme parcela da população mundial, que tem pressão arterial elevada e que não toma as devidas medidas de controle do quadro – muitas vezes, por pura falta de informação. Por isso, todos os dias, essas pessoas acordam expostas a um risco maior de infarto e derrames.

Somente 30% das pessoas com diagnóstico de pressão arterial elevada fazem o devido controle do quadro. Manter a pressão sob controle nem sempre exige medicação, mas invariavelmente impõe uma mudança de hábitos – alterações relativamente simples na rotina, mas que esbarram em fatores socioculturais e, sobretudo, na falta de uma conscientização em massa sobre os riscos que correm os indivíduos que vivem com a pressão alterada.

Vamos aos números: as estimativas dão conta de que, em todo o mundo, um bilhão de pessoas tenham hipertensão arterial sistêmica (HAS). Como somente 30% desses indivíduos cuidam para manter o quadro sob controle, isso resulta em 700 milhões de indivíduos vivendo sob maior risco de complicações, como dito no início.

A expressão pressão arterial refere-se à pressão exercida pelo sangue contra a superfície interna das artérias. A elevação da pressão máxima (sistólica) a mais de 140 mmhg e da pressão mínima a mais de 90 mmhg, verificada em duas ou mais consultas, já determina um quadro de HAS.

As duas principais complicações da HAS não controlada são: acidente vascular cerebral (conhecidos popularmente como derrames) e o surgimento de doenças coronarianas, evoluindo como infarto agudo do miocárdio.

Existem vários fatores de risco para HAS: idade, etnia (mais frequente em afrodescendentes), sexo (mais comum em homens até os 50 anos), consumo de sal, obesidade (principalmente central), sedentarismo (risco 30% maior) e consumo de álcool.

Felizmente, é possível traçar um rol de atitudes que, adotadas, tendem a interferir positivamente no controle da HAS. São hábitos relativamente simples de introduzir no dia a dia, desde que haja a determinação de mantê-los e a conscientização da sua importância:

1) Mudar a alimentação: diminuir a ingestão de sal nas refeições (o que pode ser feito sem que se abdique do sabor, adotando o uso de outros tipos de temperos, como ervas, por exemplo); aumentar a ingestão de vegetais e frutas (5 porções ao dia); consumir laticínios desnatados e preferir alimentos com pouco sódio e bastante potássio (como feijões, ervilhas, vegetais verde-escuros, banana, melão, beterraba, frutas secas, tomate e laranja);

2) Diminuir a ingestão de álcool para, no máximo, 30g/dia para homens, e 15 g/dia para mulheres;

3) Atividade física: 30 minutos por dia, 5 vezes por semana;

4) Manter o peso sob controle.

Se com todas essas medidas, a pressão arterial não diminuir, é importante procurar seu clínico geral ou cardiologista para fazer uma avaliação médica e discutir qual o melhor anti-hipertensivo para o seu caso.

Além disso, esteja ciente de que nem sempre o remédio de pressão do seu esposo, vizinho ou amigo se adequa ao seu caso. A escolha da medicação depende de um estudo individual e só pode ser feita pelo médico, sempre.

Essa publicação foi atualizada em 11 de setembro de 2019 19:52

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dr. Aécio Gois

Cardiologista

Recentes

Neuroplasticidade: a incrível capacidade de adaptação do cérebro humano

Que o cérebro humano é um fantástica central de processamento de informações, programação e distribuição de comandos, você certamente já…

4 dias atrás

“Manhãs da Vita”: especialistas esclarecem ao vivo dúvidas sobre temas de saúde

Temos uma novidade para você: a partir deste mês, uma vez por semana, um especialista do nosso Corpo Clínico estará…

2 semanas atrás

AVC: uma pandemia silenciosa

Os acidentes vasculares cerebrais são hoje as principais causas de incapacidade em todo o planeta e a segunda maior causa…

2 semanas atrás

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

4 semanas atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

1 mês atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

1 mês atrás