Transtorno de atenção desafia pais e professores

Compartilhe

Numa sala de aula típica, o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) irá atingir de 3% a 10% dos alunos, segundo a neurologista infantil Rejane Macedo. É um índice alto, que exige cuidado e preparo por parte de pais, professores e educadores, para que essas crianças tenham maiores chances de um desenvolvimento saudável, e não traumático.

“Os maiores impactos do TDAH são no campo pessoal e social. Algumas crianças sofrem exclusão, tanto pelos pais como pela escola, por incompreensão do problema. Muitas vezes, elas são vistas com discriminação, rotuladas de preguiçosas ou desinteressadas”, ressalta a médica.

Por isso, o tratamento, que também envolve o uso de medicação, requer também, fundamentalmente, a capacitação dos adultos que irão lidar diretamente com a criança. Saber estabelecer e cumprir uma rotina de horários, por exemplo, é um contributo fundamental para ajudar os indivíduos com TDAH.

Toda a abordagem, tanto de pais quanto de professores, deve ser feita no sentido de estimular e ajudar a criança a aprender a desenvolver a capacidade de focar. A criação de um ambiente propício, com rotinas bem planejadas, sistemas de anotações e lembretes, por exemplo, é algo que facilita a adaptação, permitindo à criança melhores condições para o desenvolvimento de suas potencialidades.

Segundo Rejane Macedo, é comum também que essas crianças sofram com o rótulo de “mal-educadas”, devido ao comportamento hiperativo predominante, sendo por isso rechaçadas tanto no ambiente escolar como em casa. “Por tudo isso, é comum que a criança com TDAH acabe apresentando também baixa autoestima”, diz.

A médica revela ainda que não são raras as situações em que a depressão se instala, tanto nas crianças quanto nos pais, em meio a todo um ciclo de cobranças, frustrações e estresse, gerado pela situação mal compreendida ou mal administrada. “Visando minimizar todo este processo, vemos a importância do diagnóstico precoce e de um correto tratamento para esse transtorno”, completa a médica.

A especialista observa ainda que, apesar de afetar diretamente o aprendizado, o transtorno não significa falta de inteligência ou capacidade cognitiva por parte da criança. O que ocorre, em nível cerebral, segundo ela, são alterações nos neurotransmissores que afetam diretamente funções que estão envolvidas no processo de aprendizado, como o planejamento e a concentração, por exemplo.

Por isso, o tratamento requer tanto uma abordagem adequada em nível comportamental como a administração de medicamentos específicos para cada caso. O neurologista infantil é o especialista capaz de fazer esse diagnóstico e conduzir devidamente o tratamento desses indivíduos, que poderá também envolver uma equipe multidisciplinar, com a ajuda de neuropsicólogos e fonoaudiólogos, por exemplo.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

18 horas atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

1 semana atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

1 semana atrás

Pandemia também põe em risco a saúde mental

A pandemia de Covid-19 também tem causado danos à saúde mental das pessoas. O cenário que envolve riscos biológicos, drásticas…

3 semanas atrás

Pacientes sofrem mais com crises de enxaqueca durante a pandemia

Maiores níveis de estresse, tensão e ansiedade, junto com as alterações na rotina, têm propiciado ambiente ideal para agravamento das…

1 mês atrás

Atendimento rápido e monitoramento diminuem índices de morte pela Covid-19

Quase um semestre após a primeira identificação do novo coronavírus, e com muito ainda por se descobrir sobre a sua…

2 meses atrás