Categorias: NeurologiaNotícias

Transtornos mentais exigem abordagem multidisciplinar

Compartilhe

Se existe um ponto em que a Medicina e a Psicologia convergem e precisam caminhar juntas, para o bem do paciente, este ponto é o dos transtornos mentais. Algumas mudanças nessa área estão sendo amplamente debatidas entre os profissionais e poderão resultar em novas abordagens em consultórios, a partir da publicação, no último final de semana, do Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais, o DSM 5.

As mudanças, que são de ordem prática para médicos e psicólogos que integram equipes de formulação de diagnóstico na área, têm sido alvo de preocupação por parte de pais, educadores e pessoas já diagnosticadas nesses campos. Questões relacionadas ao Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e os Transtornos do Espectro Autista são as que mais têm ganhado destaque.

Pois bem, é preciso explicar então o que muda, porque muda e que impacto que isso poderá ter, na prática, na condução terapêutica desses pacientes e na orientação dada a seus familiares. Coisa para mais de um post e muitas ponderações, certamente.

Mas, em primeiro lugar, vale ressaltar que, para fins diagnósticos, o documento oficialmente usado no Brasil é o chamado CID (Classificação Internacional de Doenças), e não o DSM. Entretanto, este tem uma relevância muito grande junto à comunidade científica e, por isso, apesar das novas abordagens sugeridas não serem obrigatórias no Brasil, a tendência é de que elas influenciem fortemente a formulação de diagnósticos e a adoção de condutas.

Além disso, em se tratando de problemas mentais, poucos quadros clínicos se encaixam nas definições tradicionais de doença – isto é, algo do qual se possa falar sobre causas explícitas e identificar os mecanismos de “mau funcionamento”. Nesse sentido, o DSM é uma importante ferramenta de referência para os profissionais da área.

“A elaboração do diagnóstico de transtornos mentais é super complexa. O DSM é uma ferramenta baseada em evidências para guiar a avaliação clínica e o diagnóstico de transtornos psiquiátricos. Os critérios diagnósticos são baseados em descrição de comportamentos”, explica a neurologista infantil Cecília Pellegrini.

O ideal é que o diagnóstico de transtorno mental seja feito sempre por uma equipe multidisciplinar, na observação da psicóloga Cássia Denadai, especialista em Terapia Comportamental Cognitiva, com cerca de 25 anos de experiência e que, no momento, participa de um curso de Clínica Psiquiátrica pela FMUS-IPq, no qual o DMS é um dos pontos em destaque.

“Essa equipe preferencialmente deve contar com psiquiatra, neurologista, psicólogo e também com terapeuta ocupacional, assistente social e enfermeiro, todos com formação na área da saúde mental, para que se tenha uma visão mais abrangente do quadro do paciente”, avalia Cássia.

Ambas as especialistas ressaltam que, em última instância, o diagnóstico é fechado pelo médico. “É o médico quem faz uso do DSM e do CID, mas todos os profissionais que lidam com saúde mental precisam conhecê-los bem, pois eles devem trabalhar junto com o médico na investigação diagnóstica e, depois, nas condutas terapêuticas”, explica a psicóloga.

Cecília, por sua vez, ressalta que as mudanças recentes no DSM reforçam a importância da multidisciplinaridade.

“Duas mudanças são muito importantes na nova versão do DSM: primeiro, a sua nova metaestrutura, na qual os capítulos são organizados de acordo com o estágio de evolução do neurodesenvolvimento, desde a infância, passando pelos diagnósticos mais frequentes na idade adulta, encerrando com os transtornos neurocognitivos; e, segundo, a adoção de medidas transversais: várias avaliações dimensionais serão usadas para medir a grande variedade de sintomas na elaboração de um diagnóstico, plano de tratamento e monitoramento. Serão medidas também as dificuldades em seu grau de gravidade ou comprometimento funcional, ou seja, serão utilizados avaliações neuropsicológicas para ajudar na elaboração do diagnóstico”, relata a neurologista.

Conclusão: há sim novidades no horizonte no que se refere à investigação, diagnóstico e condução terapêutica de transtornos mentais. E sim, é muito importante acompanhar o que dizem os manuais e as mudanças e debates travados no meio científico.  Porém, acima de tudo, o que as alterações da DSM ratificam é que a definição de transtornos, a classificação de pacientes e a escolha de seu tratamento são sempre complexas e, quanto maior for o grau de interdisciplinaridade entre os profissionais da área da Saúde, no atendimento e apoio àquele indivíduo, melhor.

Nos próximos posts sobre o tema DSM 5, especialistas da Clínica Vita falarão mais sobre TDAH e Transtorno do Espectro Autista. Você pode participar, enviando para o blog as suas dúvidas a esse respeito. Deixe aqui seu comentário ou escreva para www.blogdavita.com.br.

SAIBA MAIS

O que é o DSM e como ocorreu a sua última revisão

O DSM ou Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais – tradução do inglês “The Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders” – é um guia baseado em evidências, cuja finalidade é orientar a avaliação clínica e o diagnóstico de transtornos psiquiátricos. A primeira versão foi publicada em 1952 e, de lá para cá, passou por quatro revisões.

O projeto de desenvolver e planejar a 5ª edição do DSM começou em 1999, capitaneado pela American Psiquiatric Association (APA), tendo então culminado na publicação de diversos artigos. Numa segunda fase, 13 conferências internacionais foram realizadas, entre 2003 e 2008, pelo National Institute of Helth (NIH), dando origem a mais uma grande série de artigos e monografias.

Em 2007, foi montada uma força-tarefa, que formou grupos de estudos para conduzir revisões de literatura com as fontes produzidas. Desde então, esses grupos passaram a se reunir presencialmente duas vezes e a promover teleconferências mensais, ouvindo também comentários públicos dos profissionais clínicos, de cientistas, pacientes, familiares e associações.

A partir de todos esses eventos, foi elaborado um documento com recomendações detalhadas sobre as mudanças recomendadas (novo transtorno, eliminação de um transtorno e mudanças nos critérios diagnósticos), justificativa das mudanças, magnitude de cada mudança e evidência empírica utilizada em cada mudança recomendada.

O documento foi revisado pela Scientific Review Comittee (SCR), que considerou os riscos e benefícios para a saúde pública das mudanças no DSM-V e, então, o material foi novamente submetido à APA para as revisões finais. O manual aprovado foi publicado em dezembro de 2012, tendo sido lançado oficialmente no último final de semana.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Sialorreia: um sintoma que precisa ser observado no paciente neurológico

Comum em pacientes com quadros neurológicos, a sialorreia é caracterizada pela dificuldade na retenção e deglutição da saliva ou pela…

2 meses atrás

Tratamentos com toxina botulínica em foco entre Neurologistas Infantis

As terapias realizadas com toxina botulínica na área da Neurorreabilitação têm chamado cada vez mais atenção dos especialistas em Neurologia…

2 meses atrás

Por um olhar mais atento às doenças raras nos atendimentos de Saúde

Enfermeiros de todo o Brasil se reuniram em Salvador (BA), para se aprofundarem em protocolos de atendimento e no conhecimento…

2 meses atrás

Fonoaudióloga da Vita também brilha nos palcos como cantora

A fonoaudióloga Simone Sperança, que integra o Corpo Clínico da Vita e é responsável pelo setor de Audiologia da clínica,…

3 meses atrás

Especialistas da Vita falam no maior evento de Neurologia Infantil do país

Especialistas da Clínica Vita darão palestras e workshops durante o Congresso Brasileiro de Neurologia Infantil, que acontece em Recife, de…

3 meses atrás

Dia da Paralisia Cerebral é celebrado com ações inclusivas em todo o mundo

Especialistas e pacientes da Clínica Vita participam do I Encontro do Dia Mundial da Paralisia Cerebral, em piquenique no Parque…

4 meses atrás