Categorias: ArtigosNeurologia

Tratamentos com toxina botulínica em foco entre Neurologistas Infantis

Compartilhe

Preciso confessar a vocês, que sempre acompanham as minhas postagens aqui no Blog da Vita, que não tem sido fácil parar para escrever nesses últimos tempos! Novembro, em particular, foi um mês para lá de agitado, pois, além da agenda de atendimentos, sempre preenchida, atendi também a alguns convites muito especiais, para falar a outros especialistas, em eventos locais e nacionais. Em foco, os tratamentos com a toxina botulínica na área da Neurorreabilitação.

É com muita honra e alegria que tenho buscado aceitar essas convocações, pois, mais do que me sentir à vontade para compartilhar a minha experiência nessa área – na qual eu transito há mais de 15 anos -, sei da grande importância de fazermos com que o conhecimento sobre esses tratamentos esteja cada vez mais disseminado entre os profissionais de Saúde. Pois só assim teremos condições de fazer com que essas alternativas terapêuticas cheguem mais fácil e rapidamente aos nossos pacientes.

Neste ano, pela primeira vez, o Congresso Brasileiro de Neurologia Infantil – o maior e mais importante evento nacional voltado para neuropediatras – contou com um workshop sobre toxina botulínica. Eu tive a enorme satisfação de ser convidada pela Sociedade Brasileira de Neurologia Infantil – SBNI, na pessoa da Dra. Vanessa van Der Linden, presidente do congresso, para coordenar essa atividade, cujas vagas se esgotaram rapidamente.

Aula sobre toxina botulínica, dentro da programação oficial do Congresso Brasileiro de Neurologia Infantil, em Recife (PE)

Além disso, dentro da programação oficial do Congresso, que aconteceu entre os dias 13 e 17, em Recife (PE), ministrei também uma aula sobre “O Papel da Toxina Botulínica na Espasticidade da Paralisia Cerebral”. Foi muito gratificante ver o programa de um evento desse porte abrir-se a essas temáticas, bem como perceber o acolhimento e interesse dos colegas pelo assunto!

Na sequência, tive ainda a oportunidade de falar sobre Paralisia Cerebral e sobre os tratamentos da espasticidade e da sialorreia a colegas do Amazonas, durante o Encontro Regional de Neurologia Infantil, realizado em Manaus, no último dia 30. Mais uma vez, a troca de informações e de experiências foi muito rica, reforçando em mim a convicção sobre a importância de promovermos esses temas em nossos meios.

Melhores prognósticos com tratamento precoce

A espasticidade é uma alteração no tônus muscular, que ocorre em diversas doenças neurológicas. Devido a lesões em células do sistema nervoso, responsáveis pelo controle dos movimentos voluntários, o paciente experimenta uma rigidez excessiva de grupos musculares, sendo que as manifestações do sintoma podem variar, desde leves contraturas até deformidades graves, com permanente encurtamento de músculos e severas alterações posturais.

Em geral, o tratamento com toxina botulínica é inserido em um programa multi e interdisciplinar de reabilitação do paciente

Além de causar dor, a espasticidade compromete os movimentos, a funcionalidade e a qualidade de vida das pessoas acometidas. Hoje, entretanto, sabemos que, com o tratamento correto, oferecido precocemente e inserido em um programa de atenção interdisciplinar, envolvendo também fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais, conseguimos potencializar muito os ganhos, evitando agravamentos, complicações e tratamentos mais complexos, como as intervenções cirúrgicas.

Testemunhar o crescente interesse de neurologistas e neurologistas infantis do Brasil inteiro pelas terapêuticas com toxina botulínica é ter a certeza de que estamos testemunhando um movimento que levará a importantes mudanças para melhor nos prognósticos de nossos pacientes. E essa é a melhor notícia de todas!

Essa publicação foi atualizada em 11 de dezembro de 2019 09:12

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Dra. Simone Amorim

Neurofisiologista e Neurologista Infantil

Recentes

Epilepsia X estigma: o bem-estar psicológico e social após o diagnóstico

A maneira como as famílias dialogam sobre a epilepsia infantil pode desempenhar grande influência no estigma relacionado à doença. Enfrentar…

3 dias atrás

Covid-19: brechas no sistema imunológico podem causar complicações em qualquer idade

Coronavírus: brechas no sistema imunológico, que podem acontecer com pessoas de qualquer idade, aumentam os riscos de complicações em pacientes…

6 dias atrás

Busca por dieta cetogênica para o controle da epilepsia é cada vez maior

Pouco mais de um ano após a Liga Brasileira de Epilepsia ter incorporado a dieta cetogênica em seu protocolo de…

2 semanas atrás

Coronavírus já é considerado uma pandemia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) acaba de decretar a situação do novo coronavírus como uma pandemia (epidemia espalhada por…

3 semanas atrás

Epilepsia pode apresentar um conjunto variado de sintomas

A maioria das pessoas relaciona epilepsia à ocorrência de convulsões, mas esses não são os únicos sinais indicativos desse quadro.…

4 semanas atrás

Sialorreia: um sintoma que precisa ser observado no paciente neurológico

Comum em pacientes com quadros neurológicos, a sialorreia é caracterizada pela dificuldade na retenção e deglutição da saliva ou pela…

4 meses atrás