Categorias: Notícias

Um dia para conscientização sobre o autismo

Compartilhe

Desde 2007, por determinação da Organização das Nações Unidas, o dia 2 de abril passou a ser designado como o Dia Mundial do Autismo. Conscientização e difusão de informações a respeito dessa condição que, conforme estimativas, atinge cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo, é o que se busca através dessa iniciativa.

A neurofisiologista e neurologista infantil Simone Amorim explica que, nesse sentido, ao se falar em autismo, engloba-se todos os quadros dos distúrbios do espectro autista. Essas condições, que embora nem sempre impliquem em déficits cognitivos, afetam diretamente as capacidades de interação social, comunicação verbal e não verbal, bem como a sensibilidade e capacidade de resposta desses indivíduos aos estímulos exteriores.

“Trata-se de distúrbios neurológicos, cujos sinais se desenvolvem gradualmente. As crianças com autismo ou distúrbio do espectro autista geralmente alcançam o marco de desenvolvimento em um ritmo normal e depois regridem. Os sinais geralmente são notados pelos pais nos dois primeiros anos de vida”, explica a médica.

“Porém, não é incomum que a família resista a uma investigação mais profunda até o início da atividade escolar e que, muitas vezes, mesmo diante de um diagnóstico confirmado, haja a negação do quadro. Afinal, esse é ainda um estigma muito difícil de enfrentar”, prossegue ela.

Segundo a especialista, o autismo (e os outros quadros do distúrbio do espectro do autismo) afeta o processamento de informações no cérebro, alterando a forma como as células nervosas e suas sinapses se conectam e se organizam.

A especialista ressalta que tanto o diagnóstico quanto as intervenções precoces em deficiências comportamentais, cognitivas ou da fala podem ajudar esses pacientes a ganharem mais autonomia e habilidades sociais e de comunicação, ao longo da vida.

“O diagnóstico e o tratamento são sempre multidisciplinares. A investigação diagnóstica, além do neurologista infantil, envolve também avaliações neuropsicológicas. Depois, as terapias de acompanhamento são fundamentais para a adaptação desses indivíduos ao meio social e para lhes proporcionar melhores chances de desenvolvimento de suas habilidades”, explica.

Em todo esse processo, a presença do fonoaudiólogo também é altamente estratégica. Será esse o profissional que irá realizar a avaliação da linguagem, comunicação (expressão/compreensão) e de comportamento social, assim como desenvolver estratégias  para o desenvolvimento das habilidades comunicativas verbais e não verbais nos indivíduos com transtorno do espectro autista.

Segundo a fonoaudióloga Joyce Fialho, a literatura científica chega a estimar que aproximadamente 50% dos indivíduos com autismo não desenvolvam a fala naturalmente para suprir suas necessidades comunicativas diárias. Daí tamanha importância do trabalho fonoaudiológico junto à equipe multidisciplinar.

Segundo ela, em alguns casos, vem se utilizado a comunicação suplementar e/ou alternativa (CSA), a fim de facilitar e ampliar as capacidades de comunicação desses pacientes e também estimular a produção da fala.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Pandemia aumenta riscos de complicações em pacientes com doenças crônicas

Os riscos da pandemia do novo coronavírus vão muito além da Covid-19. Após quase um semestre de mudanças na rotina…

1 semana atrás

Covid-19: seis hábitos indispensáveis dentro do chamado “novo normal”

O isolamento social vai sendo afrouxado, mas o novo coronavírus e a Covid-19 ainda são uma realidade a ser enfrentada,…

2 semanas atrás

Cuidados para que o isolamento social não se transforme em solidão e abandono para os idosos

Mesmo com a tendência atual de governos e sociedades afrouxarem a quarentena, a população idosa segue sob a recomendação de…

3 semanas atrás

Pandemia também põe em risco a saúde mental

A pandemia de Covid-19 também tem causado danos à saúde mental das pessoas. O cenário que envolve riscos biológicos, drásticas…

4 semanas atrás

Pacientes sofrem mais com crises de enxaqueca durante a pandemia

Maiores níveis de estresse, tensão e ansiedade, junto com as alterações na rotina, têm propiciado ambiente ideal para agravamento das…

2 meses atrás

Atendimento rápido e monitoramento diminuem índices de morte pela Covid-19

Quase um semestre após a primeira identificação do novo coronavírus, e com muito ainda por se descobrir sobre a sua…

2 meses atrás