Categorias: Artigos

Você tem certeza de que está ouvindo bem?

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Compartilhe

Joyce Fialho,
Fonoaudióloga

Com envelhecimento natural, as funcionalidades do organismo vão se debilitando. A audição também, embora não exista uma idade certa para que isso aconteça. Mas fato é que adultos e idosos precisam estar atentos a possíveis perdas auditivas.

Existem pessoas que possuem fatores de predisposição para  a diminuição da acuidade auditiva antes da terceira idade, outras não. Além disso, há fatores ambientais, como a exposição a ruídos, que podem contribuir para o surgimento do quadro.

Enfim, o corpo inteiro envelhece, e o sistema da audição acompanha esse movimento. Para saber como lidar com isso, precisamos entender como ouvimos.

A orelha primeiramente capta o som do ambiente, que é direcionado ao tímpano e faz movimentar os menores ossos do nosso corpo (martelo, bigorna e estribo), que são responsáveis pela vibração do labirinto (órgão responsável também  pelo equilíbrio).

Dentro do labirinto encontramos o vestíbulo, a cóclea (principal órgão responsável pela audição) e os canais semicirculares, que possuem cílios (pelos) e um líquido que se movimenta  e cria estímulos nervosos que serão  transmitidos  ao nervo auditivo, que envia a mensagem para o cérebro.

Com envelhecimento, esse líquido é reduzido e os pelos caem – na juventude eles também caem, mas voltam a nascer. Por isso, com o passar dos anos, as pessoas podem adquirir dificuldades para ouvir.

Precisamos de todos os nossos sentidos (visão, audição, tato e paladar) funcionando bem. Leves perdas auditivas são suficientes para, por exemplo, impedirem que a pessoa ouça a buzina de um carro ao atravessar a rua.

Além disso, quando não ouve bem, a pessoa tende a se afastar de todos. Afinal, para ela é difícil ouvir o que os amigos e os familiares falam. Com isso, ela não socializa. E com o isolamento pode começar todo um processo de debilitação.

Um sintoma muito característico do início da perda auditiva é a pessoa afirmar: “eu ouço, mas não entendo”. Porque grande parte das pessoas não tem perda total, mas simplesmente perdas leves e moderadas.

Dependendo do nível da perda, muitas vezes não é necessário o uso de aparelhos. Apenas a terapia fonoaudiológica pode minimizar as dificuldades de comunicação, trabalhando técnicas que facilitem a vida diária dessas pessoas.

ATENÇÃO AOS SINAIS DE ALERTA

– Dificuldade para entender o que as pessoas falam;

– Sensação de que as pessoas falam baixo;

– Falar alto (pois a pessoa não ouve a sua própria voz com clareza);
– Demora para perceber sons comuns da casa como campanhias e telefone;

– Assiste TV no volume mais alto;

– Queixa de sensação de ouvido tapado ou de zumbido.

TESTES E CUIDADOS NECESSÁRIOS

– Os testes auditivos são feitos por fonoaudiólogos. Além da anamnese, com entrevista ao paciente, esse profissional conduz exames como a audiometria e a imitanciometria, para detectar a perda (total ou parcial) da audição.

– Jamais o paciente ou seus familiares devem adquirir um aparelho auditivo sem a orientação de um profissional especializado. Esses equipamentos são importantes quando indicados corretamente, mas podem ser prejudiciais se o uso não estiver adequado às necessidades da pessoa.

– Muitas vezes, técnicas aplicadas na terapia fonoaudilógica são suficientes para a melhoria de desempenho do paciente, sem a necessidade do uso de aparelhos. Mas receber o cuidado profissional é fundamental para a segurança e a qualidade de vida desses indivíduos.

Produzido por
Clínica Vita

Assessoria de Comunicação

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

6 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

6 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás