Atendimento Domiciliar 2018-06-26T07:52:54+00:00

Assistência para a Neurorreabilitação:
Informe-se sobre a possibilidade de atendimento domiciliar nos casos do tratamento com Botox, Terapia Ocupacional e outras terapêuticas, quando o paciente não tem condições de se deslocar até o consultório para os procedimentos.

Atendimento domiciliar

Atendimento domiciliar

Algumas vezes, as condições físicas do paciente com comprometimentos neurológicos (que podem ser resultantes das mais diversas patologias) não permitem o seu deslocamento regular para realizar as diversas sessões terapêuticas de que necessita. Por isso, na Clínica Vita, dispomos da possibilidade de atendimento externo, em determinadas situações.

Isso pode acontecer tanto com aqueles que estão hospitalizados ou, até mesmo, com aqueles cujo quadro crônico é gerido a partir de adaptações feitas no ambiente doméstico. Afinal, sabemos que o acesso a determinadas terapias costuma ser um fator fundamental para melhoria dos prognósticos e/ou estabilização de determinados sintomas que comprometem o conforto e o bem-estar geral desses indivíduos, bem como dificultam o manejo pelos cuidadores.

Saiba mais

  • Avaliação clínica (consulta Neurológica);
  • Aplicações de toxina botulínica para melhoria das condições físicas (comprometimentos neuromusculares) dos pacientes;
  • Acompanhamento fonoaudiológico do paciente acamado, incluindo os casos de dificuldades de deglutição (disfagia);
  • Acompanhamento nutricional, sobretudo nos casos em que o paciente é alimentado por sonda;
  • Terapia Ocupacional;
  • Psicoterapia.

Não. A indicação para atendimento domiciliar em geral é feita para aqueles casos em que o paciente necessita de determinadas terapia, mas encontra-se impedido de se deslocar ou não existem condições para que isso seja providenciado. Isso também se aplica às situações em que o paciente se encontra no leito hospitalar. Entretanto, sempre que possível, as saídas para as consultas e processos terapêuticos representam momentos de estímulo, diversificação de ambiente e enriquecimento da experiência social para muitos desses indivíduos, sendo portanto importante / interessante trazê-lo até o consultório – ainda mais quando o ambiente é acolhedor e confortável, como no caso da Clínica Vita!

Entrando em contato com a clínica (por telefone, pessoalmente ou por meio do formulário de contato do nosso site) e expondo a demanda para qual existe indicação e/ou interesse. Cada caso é avaliado conforme a sua especificidade e, havendo condições, o atendimento domiciliar/hospitalar será estabelecido de forma pontual ou regular, de acordo com as necessidades identificadas e com os serviços disponibilizados pela Clínica Vita.

Nem sempre. Alguns planos e convênios de Saúde preveem esse tipo de cobertura para determinados procedimentos, outros não. Nos casos em que não há cobertura, o serviço pode ser prestado em caráter particular.

Sim! O tratamento com Botox permite a melhoria das condições físicas gerais do paciente, à medida que alivia/melhora diversos sintomas que comprometem o controle e/ou a capacidade de movimentos e, com isso, causam dores e dificultam muito a rotina ou o manejo dessas pessoas. A terapêutica com toxina botulínica é sempre conduzida por um médico (neurologista, neurologista infantil ou fisiatra) devidamente habilitado para isso e, quando ocorre no âmbito domiciliar, obedece todos os protocolos de segurança para a conduta. No tratamento com Botox, a substância (toxina botulínica) é aplicada diretamente no músculo prejudicado, utilizando agulhas muito finas e em diluições específicas. Em geral, o nível de incômodo é mínimo e perfeitamente tolerável. Feito o procedimento, o “relaxamento” da área afeta perdura por vários meses.
Com o “relaxamento muscular” proporcionado pela toxina botulínica, o paciente experimenta uma melhora na amplitude dos seus movimentos e, com isso, em geral, também sente menos dores nas áreas afetadas por hipercontrações. Em geral, os resultados aparecem logo nos primeiros dias após a aplicação e duram diversos meses, sendo a indicação da frequência de aplicação variável conforme cada caso.

Certamente. À medida que age permitindo o relaxamento muscular das áreas afetadas pelos comprometimentos neurológicos, o tratamento com Botox oferece significativas melhorias para o estado físico geral do paciente, permitindo não só ganhos imediatos na qualidade de vida (com menos dores e mais facilidades para o manejo no dia a dia), como melhores respostas aos outros processos terapêuticos, como a Fisioterapia, a Terapia Ocupacional e a Fonoaudiologia, entre outras.

A Neurorreabilitação é um processo global e dinâmico, orientado para melhorar as condições físicas e psicológicas do paciente neurológico crônico, tendo em vista a sua reintegração social. Esse é um conceito que está associado a uma ideia mais ampla de saúde e de qualidade de vida. Nesse aspecto, o tratamento com Botox surge como um grande aliado das terapêuticas multidisciplinares, pois melhora as condições gerais dos pacientes assistidos.
O tratamento com Botox pode ser útil em inúmeros quadros crônicos na área neurológica. Entre esses quadros estão, por exemplo, as doenças metabólicas de ordem genética, as sequelas de quadros infecciosos ou as complicações do parto, como a paralisia cerebral, lesões por traumas, sequelas pós-AVC, entre outras.
  • Distonias em geral (movimentos involuntários);
  • Espasticidade em geral (contrações musculares involuntárias);
  • Sialorreia (extravasamento de saliva devido à falta de controle dos músculos orofaciais ou incapacidade de deglutição);
  • Torcicolo espasmódico;
  • Blefaroespasmo (espamos nas pálpebras);
  • Cãimbra do escrivão (distonia de tarefa específica, quando a mão ou todo o membro superior adotam uma postura anormal ao escrever);
  • Distonia de pé (postura anormal de um pé e um sintoma muito comum na Doença de Parkinson).

Os sintomas neuromusculares podem ser gerados por uma infinidades de situações, sendo que entre as mais comuns estão as doenças de ordem genética, as sequelas de quadros infecciosos, as complicações de parto, os traumas cerebrais e os quadros neurodegenerativos em geral. A título de exemplo, podemos citar então:

  • Paralisia cerebral;
  • Microcefalia;
  • Síndromes metabólicas em geral;
  • Doença de Parkinson;
  • Esclerose lateral amiotrófica (ELA);
  • Doenças neurodegenerativas em geral;
  • Sequelas de acidente vascular cerebral (AVC).

Tire suas dúvidas