Categorias: Neurologia

Incidência de Transtorno do Espectro Autista segue em crescimento

Produzido por
Eugênia Fialho

Neurologista Infantil

Compartilhe

A prevalência de indivíduos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) segue crescendo! As últimas estatísticas americanas mostram uma prevalência de 1 autista para cada 54 crianças. Os dados anteriores eram de 1 para 59.  O que justificaria esse aumento? A melhor detecção certamente é uma das razões! O diagnóstico de indivíduos com QI mais alto, outros com sintomas mais leves e indivíduos que tenham sido negligenciados anteriormente.

O diagnóstico do TEA pode ser feito nos primeiros três anos de vida, mas essa ainda não é a realidade da maior parte dos casos

O diagnóstico de TEA, pode ser feito nos primeiros 3 anos de vida, geralmente por volta dos 24 meses de idade. Infelizmente, observamos um diagnóstico tardio em boa parte dos casos! Ainda que os sintomas se mostrem precocemente, a idade média ao diagnóstico é por volta de 4 anos e meio. Mesmo com toda a divulgação, apenas 43% das crianças com TEA recebem uma avaliação adequada do desenvolvimento aos 3 anos de idade!

Que neurologista infantil nunca escutou a famosa frase: “Disseram para esperar o tempo da criança?” Então eu me pergunto: realmente é o melhor a fazer? Esse tipo de conduta vai contra todo o esforço que se faz pela suspeição e diagnóstico precoce. Sabe-se que a detecção precoce possibilita uma adequada intervenção comportamental e do desenvolvimento já no início dos sintomas, e isto pode melhorar substancialmente os resultados.

Mas quais seriam os sinais e sintomas de TEA?

Observam-se comprometimentos essenciais na comunicação social e a presença de comportamentos estereotipados, restritos e repetitivos. A apresentação do TEA é muito heterogênea. Há indivíduos com comportamentos motores repetitivos proeminentes, outros podem ter interesses restritos. Há indivíduos minimamente verbais, outros falam fluentemente, mas com poucas habilidades de comunicação; o funcionamento intelectual pode ser prejudicado ou muito maior que a média.

A Academia Americana de Pediatria recomenda a triagem para TEA em todas as crianças com idades entre 18 e 24 meses, usando ferramentas on-line disponíveis gratuitamente para clínicos e pais.

Se um pai ou uma mãe demonstra preocupação referente ao comportamento do seu bebê, no que se refere à fala ou vocalização, contato visual pobre, não apontar o que deseja, não compartilhar interesses, escassez de sorriso social, não responder quando chamado por seu nome… Isto deve ser levado muito a sério e avaliado adequadamente, pois pode ser a primeira indicação de problemas!

Existem ferramentas de avaliação bem validadas e adequadas às diferentes idades para que se estabeleça um diagnóstico e recomendações de intervenção. Deve-se avaliar a comunicação social, a presença de comportamentos estereotipados ou repetitivos, interesses sensoriais incomuns, habilidades intelectuais, habilidades de fala e linguagem e funcionamento adaptativo, além do relato dos pais sobre a história do desenvolvimento da criança. Portanto, o diagnóstico é clínico! Deve ser feito por uma equipe multidisciplinar capacitada para tal. Atualmente, não existem biomarcadores clinicamente validados para o diagnóstico de TEA.

As crianças diagnosticadas como portadoras de TEA precisarão de encaminhamento para tratamento individualizado. Uma intervenção comportamental intensiva pode maximizar os resultados nos domínios críticos da comunicação, QI e função adaptativa para crianças pequenas com TEA. O treinamento dos pais com intervenções comportamentais fornecidas pelo terapeuta pode melhorar ainda mais os resultados para crianças pequenas!

Quando usar medicamentos?

O tratamento dos principais sintomas de TEA atualmente é feito por terapias, mas a medicação pode ser usada para tratar condições comórbidas que podem prejudicar o desenvolvimento desses indivíduos. Alterações de comportamento como ansiedade, hiperatividade, desatenção e distúrbios de sono devem ser tratadas com medicamentos quando indicado.

Trocando em miúdos: se você tem dúvidas sobre o desenvolvimento do seu filho, sobre comportamentos que ele apresente e que lhe pareçam peculiares, não tenha receio de buscar avaliação e obter uma resposta. Não espere o tempo passar! Procure ajuda! Busque uma avaliação com uma equipe capacitada. O diagnóstico e intervenção precoce são muito importantes! E caso seja um equívoco seu, tudo bem! O dilema se resolve e seguimos em frente!

Um ótimo Abril Azul para Todos Nós!

Essa publicação foi atualizada em 21 de abril de 2020 15:43

As opiniões expressas nesse artigo são de responsabilidade de seus respectivos autores.
Caso deseje entrar em contato conosco, escreva para blogdavita@vitaclinica.com.br
Produzido por
Eugênia Fialho

Neurologista Infantil

Recentes

Paralisia Cerebral: desafios e principais caminhos terapêuticos

A Paralisia Cerebral apresenta características e necessidades individualizadas, que exigem acompanhamento multidisciplinar e ajustado para cada caso. Veja as abordagens…

8 meses atrás

Como a Neuromodulação tem beneficiado pacientes com diversas condições

A Neuromodulação não invasiva tem ajudado pacientes com as mais diversas condições. O procedimento promove a plasticidade cerebral, através da…

9 meses atrás

Critérios para garantir uma aplicação segura de toxina botulínica

Hoje em dia, quase todo mundo já ouviu falar sobre os benefícios terapêuticos da toxina botulínica. Assim como já ocorreu…

1 ano atrás

Sinais, diagnóstico e tratamento da espasticidade na criança

Agora, uma conversa com pais e familiares. Espasticidade é o nome de um sintoma muito prevalente em crianças com comprometimentos…

1 ano atrás

Toxina botulínica: treinamentos com aulas práticas e estudos de casos na Clínica Vita

Não é por acaso que a Clínica Vita é atualmente o maior serviço privado do país na terapêutica com toxina…

1 ano atrás

Clínica Vita abre suas instalações para treinar médicos na terapêutica com toxina botulínica

Clínica Vita oferece treinamento a médicos de todo o país interessados na terapêutica com toxina botulínica na área neurológica. O…

1 ano atrás