No início deste mês, falamos aqui no Blog da Vita sobre o “Setembro Amarelo”, ressaltando a campanha temática de combate ao suicídio, ao longo deste mês (confira aqui o post sobre este tema). Mas o mês também tem uma outra cor temática: o verde. Trata-se da campanha de prevenção do câncer intestinal e, sobre isso, há algumas considerações importantes.

Oncologistas têm sido categóricos em afirmar que é inequívoca a relação direta entre o tipo de dieta adotada por uma população e a incidência de casos de câncer. Isso aponta para uma necessidade urgente de conscientização sobre o que escolhemos colocar no prato.

As estatísticas apontam que cerca de 30% dos tumores estão relacionados à alimentação, sendo o câncer intestinal um dos mais diretamente relacionados aos hábitos alimentares. Estudos mostram que dietas excessivamente ricas em carboidratos e carnes gordurosas aumentam os riscos desse tipo de tumor.

Basicamente, o que acontece quando há o consumo exagerado de carboidratos (que se convertem em açúcar no nosso organismo) é um aumento drástico nos níveis de insulina no organismo, o que, conforme já ficou cientificamente comprovado, dá energia para a atividade de células cancerosas.

sugar 2 Açúcar em excesso eleva riscos do câncer instestinal

Carboidratos simples estão relacionados a uma maior incidência de câncer intestinal

Por outras palavras: a insulina elevada serve de “alimento” para o câncer!

Por isso, existe hoje um forte estímulo à troca de carboidratos simples (como a batata, o arroz branco e as massas em geral) por carboidratos complexos (como batata doce e outras raízes, arroz e massas integrais). A mudança é vista como algo benéfico na dieta de todas as pessoas e, especialmente, na dos pacientes em tratamento oncológico.

A gordura animal também é outro fator que exige atenção para esses pacientes. Sendo assim, ganha cada vez mais força o entendimento de que a dieta do paciente oncológico precisa ser especialmente formulada com vistas nesses dados conhecidos.

Com isso, o apoio nutricional vem sendo indicado como um elemento importante no tratamento do câncer, ressaltando-se a necessidade de um atendimento individualizado por um nutricionista, para que o paciente possa ter suas necessidades específicas levadas em consideração no plano alimentar.

Outro aspecto que vale ressaltar em relação aos estudos sobre a relação entre câncer e alimentação são os indicativos cada vez mais fortes de que o consumo de determinados tipos de verduras e legumes beneficia o combate às células alteradas. Ou seja, uma dieta saudável contribui diretamente na prevenção da doença, e isso é algo válido para todas as pessoas.

Em relação ao câncer intestinal, especificamente, estudos também apontam o sedentarismo (confira aqui um post específico sobre este tema). como um importante fator de risco. Obesidade, tabagismo, alcoolismo, avanço da idade, histórico familiar também figuram como fatores que exigem atenção.

MARQUE A SUA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL