Biofeedback 2018-06-18T16:20:38+00:00

Biofeedback

O que é Biofeedback?

Biofeedbak é uma ferrameta terapêutica que visa proporcionar ao paciente  um maior controle de determinadas reações físicas e emocionais, frente a determinados “gatilhos” psicológicos. Tecnicamente, a terapêutica é referida como “um treinamento psicofisiológico, com a finalidade de permitir o desenvolvimento de capacidades auto-regulação”.

Na prática, essa técnica ajuda no alívio e na melhoria de diversos sintomas que surgem em situações de estresse emocional e que, muitas vezes, comprometem o desempenho da pessoa em atividades para as quais ela está perfeitamente capacitada e afetam também as suas interações sociais, entre outros prejuízos para a vida prática. Nesse rol entram, por exemplo, os diversos sinais físicos associados à ansiedade, à depressão e a outros transtornos psicoemocionais.

O biofeedback pode ser conduzido de complementar-integrativa com outros  processos terapêuticos, sobretudo com a Psicoterapia. O procedimento é feito de forma não-invasiva e não-medicamentosa, com ajuda de equipamento eletrônico sensível, que sinaliza sobre as reações fisiológicas e dá suporte ao treinamento conduzido pelo terapeuta. Além disso, a técnica também pode ser utilizada como ferramenta diagnóstica, ajudando a identificar mais rapidamente situações-gatilhos condicionantes para o paciente, abrindo vias para serem discutidas e/ou trabalhadas em terapia.

Saiba mais

Em diversas situações:

  • Em praticamente todos os casos que visem ajudar o paciente a ter uma maior percepção dos processos psicofisiológicos que acontecem em seu organismo, podendo, através de treinamento, obter um ter maior controle de suas reações – assim, contribui-se diretamente também para o reestabelecimento da autoconfiança, melhoras na autoestima e no desempenho pessoal em diversas áreas.
  • O Biofeedback também tem indicação quando o objetivo específico é reduzir/tratar os sintomas associados aos quadros de estresse, ansiedade, depressão, déficits de atenção e demais situações associadas ao descontrole simpático-vagal (sistema nervoso autônomo – responsável por membros superiores e inferiores e vísceras em geral), e que desencadeiem, de forma exacerbada e incontrolável, sintomas como rubor, alteração do funcionamento intestinal, mudanças de temperatura, tremores, falta de ar, entre outros.
  • O Biofeedback também é uma importante ferramenta diagnóstica. À medida que a técnica permite ao terapeuta identificar até mesmo as reações psicofisiológicas mais sutis do paciente, o processo terapêutico pode ser diretamente beneficiado.

Uma sessão tem duração de aproximadamente 30 minutos. Antes do processo, o paciente é orientado em relação à sua respiração e a observar as suas reações, seus pensamentos e sentimentos frente a determinadas situações (tanto no transcurso do procedimento, quanto ao longo dos dias posteriores). Alguns exercícios respiratórios também são realizados. Na sequência, para a realização do procedimento propriamente dito, o paciente é colocado em uma situação confortável e escolhe um entre vários cenários com temas diferentes para que sejam observadas as suas reações, que são captadas por meio de um computador que utiliza-se de softwares específicos para fazer essa “leitura”. O terapeuta acompanha toda essa atividade e vai conduzindo a sessão. A sessão termina com a troca de impressões mútuas entre terapeuta e paciente, a respeito das reações observadas no processo e dos próximos a serem dados no processo terapêutico.

O grande objetivo do Biofeedback é contribuir diretamente para a chamada homeostase, isto é: o equilíbrio interno do organismo, que gera bem-estar físico, cognitivo e emocional. Especialmente no caso das doenças psicossomáticas, o que se pode esperar são prognósticos mais positivos.

As reações do paciente são captadas por um sensor, que pode ser colocado no dedo ou na orelha e é conectado a um dispositivo capaz demonitorar a frequência cardíaca do paciente durante todo o processo. É basicamente a partir da leitura desses sinais que o terapeuta tem condições de ir entendendo / mapeando os principais gatilhos psicofisiológicos associados às queixas do paciente. E é por meio dessa observação também que é possível desenvolver o treinamento que levará à melhora dos sintomas apresentados.

Principalmente exercícios respiratórios, com privilégio da respiração abdominal. Os exercícios são ensinados em consultórios e, normalmente, o paciente também é instruído a praticar em casa, juntamente com outras atividades de concentração e relaxamento.

Para alcançar o resultado de treino, o padrão indicado é de 20 sessões de 20 min, mais exercícios diários em casa de 10min, nos intervalos entre os dias de treino. Dependendo dos objetivos, no caso de tratamento, podem ser estabelecidos outros padrões.

De forma geral, não há contraindicações para o Biofeedbak, uma vez que o processo consiste basicamente em treinos respiratórios, a partir da observação das reações psicofisiológicas do indivíduo. Entretanto, para iniciar um programa dessa natureza, é necessário que a pessoa tenha idade e/ou condições cognitivas de entender como realizar os exercícios respiratórios.

Sem dúvida. O Biofeedback é uma ferramenta que contribui diretamente para o ganho de autocontrole, beneficiando também a autoconfiança e a autoestima. Contudo, o suporte psicoterápico é fundamental para que as questões psicológicas mais profundas tenham espaço para serem trabalhadas. Além disso, em muitos casos, o paciente também poderá necessitar de apoio no campo da neuropsicologia (quando existirem déficits neurológicos) ou psiquiatria, no caso de haver transtornos dessa natureza. Em muitas situações, o tratamento é multidisciplinar, podendo envolver também o uso de medicações, que deverá ser prescrita pelo especialista da área competente.

• Dificuldades escolares, que envolvam ou não déficits cognitivos;
• Transtorno do Déficit de Atenção e da Hiperatividade (TDAH);
• Depressão;
• Ansiedade;
• Fobias;
• Dificuldade nas adaptações e/ou interações sociais;
• Controle de vícios.

Tire suas dúvidas