Autismo: desmistificar é o primeiro passo para a verdadeira inclusão

Abril é um mês dedicado ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). No último dia 02, tivemos o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, com diversas ações marcadas pela cor azul. Para a neurologista infantil e neurofisiologista Simone Amorim, diretora clínica da Vita, falar sobre o tema significa principalmente esclarecer o que o quadro NÃO É.

“Desmistificar essa condição é o primeiro passo para a verdadeira inclusão e a oferta de uma rede de suporte que realmente respeite as necessidades e características desses indivíduos. Estar dentro do espectro autista, por si só, não é algo que impõe um limite à inteligência e às potencialidades dessas pessoas”, enfatiza a médica.

O TEA, explica Simone, é uma desordem neurológica que afeta basicamente três áreas do desenvolvimento: a comunicação, as interações sociais e o comportamento.

Embora possa haver sim déficits cognitivos, as presenças de outros transtornos (como TDAH, depressão, ansiedade, etc.) e problemas neurológicos associados ao TEA são condições que variam conforme cada caso – não é por acaso que um dos símbolos mais conhecidos das ações de conscientização é um quebra-cabeças multicolorido, representando justamente a diversidade e a complexidade dos indivíduos com autismo.

Dra Simone Amorim: desmistificar o autismo é o primeiro passo para a verdadeira inclusão

“Como questão de base comum a esses pacientes existe de fato uma grande dificuldade em se expressar dentro dos códigos que são naturais para a maioria das pessoas. Mas, em momento nenhum, isso significa que a pessoa com autismo não tenha pensamentos e sentimentos tão complexos quanto os de todos nós”, ressalta.

Outro ponto enfatizado pela neurologista é o da inexistência de cura para o autismo. “Não há um remédio ou uma terapia que altere essa condição. O indivíduo é e sempre será assim. Logo, o que tem de mudar são as nossas expectativas, aceitando essa diferença e oferecendo ambientes e condições que assegurem uma boa adaptabilidade ao autista”, explica.

Por norma, o acompanhamento desses pacientes é multidisciplinar, envolvendo, em geral, além do neurologista infantil, profissionais das áreas de Fonoaudiologia, Psicopedagogia, Neuropsicologia, Psicologia e Terapia Ocupacional.

Terapias de apoio são muito importantes para o desenvolvimento da criança com autismo

Com os devidos processos terapêuticos e o acompanhamento médico (que poderá envolver o uso de medicações, conforme cada caso), as etapas de desenvolvimento, a adaptação ao meio e a aprendizagem tendem a transcorrer com melhores resultados – sendo também o envolvimento da família e a existência de ambientes inclusivos fatores essenciais para que isso aconteça.

Relativamente aos pais e familiares, passada a fase comum de negação dos sintomas e/ou do diagnóstico, a busca de causas e, até mesmo, o sentimento de culpa, são outros movimentos recorrentes, que precisam ser revistos. “É muito importante que a família entenda que não existe culpa pela criança estar dentro do espectro autista”, tranquiliza Simone.

Até o momento, as causas do TEA não estão completamente esclarecidas pela ciência. Ele pode acontecer em qualquer núcleo familiar, e não há nenhuma comprovação de que esteja relacionado com a administração de vacinas ou outras situações durante a gestação ou a infância.

SAIBA MAIS SOBRE O TEA

  • O Transtorno do Espectro Autista (TEA) engloba diferentes condições, marcadas por perturbações do desenvolvimento neurológico, com três características fundamentais, que podem manifestar-se em conjunto ou isoladamente. São elas: dificuldade de comunicação por deficiência no domínio da linguagem e no uso da imaginação para lidar com jogos simbólicos, dificuldade de socialização e padrão de comportamento restritivo e repetitivo;
  • Embora existam algumas características comuns aos autistas, o diagnóstico, por si só, não impõe um limite à inteligência e às potencialidades do indivíduo, que tem pensamentos e sentimentos tão complexos como os de qualquer pessoa;
  • Em geral, a percepção sensorial da pessoa com TEA é diferenciada. Luzes, odores, sons, toques e outras sensações são captados pelo sistema nervoso de uma forma amplificada e muito incômoda;
  • Para a pessoa com TEA, a linguagem figurada costuma ser muito difícil. Por isso, seu discurso tende a ser mais literal. O uso de uma comunicação direta, paciente, simples e objetiva contribui muito para uma melhor adaptação dessas pessoas ao ambiente à sua volta;
  • Não existe uma idade mínima para se suspeitar que a criança possa estar dentro do Transtorno do Espectro Autista. Atualmente, assumimos que o diagnóstico conclusivo já possa ser feito a partir do primeiro ano de vida;
  • NÃO há tratamento/cura para o TEA. Mas o acompanhamento médico-terapêutico é muito importante para o estímulo do desenvolvimento e uma boa adaptação da criança ao seu ambiente e para o ganho progressivo de autonomia.

Essa publicação foi atualizada em 18 de abril de 2019 06:33

Disqus Comments Loading...
Compartilhe

Recentes

Médica esclarece dúvidas de telespectadores sobre distonia em programa ao vivo

Distonia é o termo utilizado para definir um distúrbio do movimento caracterizado por movimentações involuntárias, repetitivas e incontroláveis, que podem…

1 semana atrás

Enxaqueca fora de controle põe em xeque trabalho, vida social e relacionamentos

Apesar de conviver com uma patologia crônica, altamente incapacitante e comprometedora da qualidade de vida, o paciente enxaquecoso muitas vezes…

3 semanas atrás

Campanha alerta sobre impactos das dores de cabeça na qualidade de vida

"Mesmo que você tenha boas explicações para as suas dores, se você tem três ou mais episódios de dor de…

4 semanas atrás

Enxaqueca é a segunda doença mais incapacitante do mundo

Dados atualizados divulgados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) neste ano apontam a enxaqueca como a segunda maior causa de…

1 mês atrás

Dieta cetogênica é recomendada no controle da epilepsia

Há importantes novidades no tratamento dos pacientes epilépticos. A Liga Brasileira de Epilepsia, em seu mais novo protocolo, incorporou a…

3 meses atrás

Down é a síndrome genética de maior incidência

A Síndrome de Down é uma síndrome genética decorrente da presença de um cromossomo a mais, no par 21 - por isso,…

3 meses atrás